publicidade
30/10/19
Foto: Andréa Rêgo Barros/PCR
Foto: Andréa Rêgo Barros/PCR

No comando, discretamente. Por Luciano Siqueira

30 / out
Publicado por Blog de Jamildo em Opinião às 10:41

Por Luciano Siqueira (PCdoB), vice-prefeito do Recife em artigo enviado ao Blog

‪No próximo sábado, 27, estarei completando mais uma fase de interinidade à frente do governo da cidade do Recife, desta vez por 10 dias.‬

A Lei Orgânica do Município determina que na ausência do prefeito, neste caso em viagem ao exterior, o vice-prefeito deve assumir o cargo. Quando da ausência do titular em território nacional por mais de quinze dias, idem.

Assim aconteceu muitas vezes (perdi a conta) nos oito anos em que fui vice do prefeito João Paulo e há quase sete anos na gestão do atual prefeito Geraldo Julio.

Felizmente sem sobressaltos, apesar de em algumas ocasiões, no exercício do cargo, ter enfrentado situações críticas — como a tentativa de centenas de manifestantes ocuparem o prédio da Prefeitura, episódios de chuvas severas numa cidade vulnerável em suas áreas de morros, encostas e alagados ou agora quando as praias do Recife estão ameaçadas de contaminação em razão do desastre ambiental que atinge a costa nordestina.

Entendo que vice-prefeito (assim como vice-governador e vice-presidente da República) deve trabalhar muito, contribuir se possível em todas as esferas do governo e manter a serenidade e a discrição.

Da minha parte — permitam-me seguir fazendo esse registro —, tomo o cuidado, inclusive, de nomear secretários para falarem pelo governo a propósito de problemas em curso de certa repercussão pública, mantendo-me relativamente reservado. Assim, além de valorizar o trabalho de cada um e de sublinhar o sentido de equipe, conservo-me discreto e comedido.

Durante toda a interinidade permaneço despachando em meu gabinete, ao invés de me transferir para o gabinete do prefeito.

Não creio que isso se prenda tão somente a um estilo pessoal. E só o menciono aqui porque me parece oportuno anotar a responsabilidade de aliados para com o conjunto do governo, na construção permanente da unidade e da coesão, sob a liderança daquele ou daquela que o povo escolheu como governante.

Essa conduta cuidadosa em nada diminui a autoridade do governante em exercício. Ao contrário, a fortalece.

No meu caso, ajuda muito a atitude generosa e fraterna adotada pelo prefeito Geraldo Júlio, assim como aconteceu com o prefeito João Paulo (hoje meu camarada no PCdoB).

Num tempo político em que tudo conspira em favor de desavenças e da dispersão, mesmo entre correntes políticas e personalidades coligadas, acredito estar contribuindo, ainda que modestamente, para reforçar o valor da convergência e da unidade conviventes com as diferenças.


FECHAR