publicidade
29/10/19
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Foto: Diego Nigro/JC Imagem

Gilmar Mendes defende fim da Lava Jato e diz que operação destruiu sistema político

29 / out
Publicado por Fillipe Vilar em Notícias às 17:14

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, afirmou em entrevista publicada nesta terça-feira (29) no site El Pais que a Operação Lava Jato deve acabar. Segundo o magistrado, a prisão do ex-presidente Lula, também, só seria viável em um ambiente “de total destruição do sistema político”.

Para Mendes, a Lava Jato seria responsável por essa destruição. “Eu acho que a prisão do Lula só é viável num contexto de total destruição do sistema político, e é isso que a Lava Jato conseguiu. Nada foi mais delirante que aquele episódio do Joesley [Batista], onde o [procurador Rodrigo] Janot chega a dizer que iria investigar ministros do Supremo. O STF permaneceu intacto, mas o sistema num todo foi levado de roldão. O STJ foi levado de roldão. De fato, se deu poder para gente muito chinfrim, muito ruim, mequetrefe do ponto de vista moral e do ponto de vista intelectual. Foi essa a combinação que produziu a mídia e esse empoderamento [do MPF]”, avaliou o ministro.

LEIA MAIS
»Gilmar Mendes suspende lei municipal que barrava ensino de gênero
»Suspeição de Moro no caso Lula deve ser julgada até novembro, diz Gilmar Mendes
»Gilmar Mendes suspende processos contra Flávio Bolsonaro no caso Queiroz

Mensagens vazadas

Em outro momento, Gilmar compara os vazamentos de mensagens publicados pelo site The Intercept aos de delações, publicadas em outros veículos de imprensa. “Tenho falado com a imprensa quando vem falar do hackeamento e do episódio do Intercept. Eu digo, e os vazamentos, que eram sistemáticos? A lei da delação estabelece que, em princípio, só se revela o conteúdo da delação depois do recebimento da denúncia. Portanto, depois de instaurado o processo criminal. Não obstante, a Procuradoria encontrou uma brecha: colocava um direito de renúncia do delator, que dizia que concordava com a divulgação antecipada. E isso enchia o Jornal Nacional. Mas veja, essa renúncia não faz sentido. O colaborador está renunciado só à exposição em relação a ele mesmo. Mas está expondo todas as outras pessoas que estão estão sendo delatadas. E nós mesmos talvez tenhamos referendado – quer dizer, vários dos colegas aqui – referendamos esse tipo de acordo, que violava a lei”, disse.


FECHAR