publicidade
23/10/19
Foto: Carlos Lima/Câmara do Recife
Foto: Carlos Lima/Câmara do Recife

Oposição acusa João Campos de fazer uso político do vazamento de óleo

23 / out
Publicado por Douglas Fernandes em Notícias às 13:12

Líder da oposição ao prefeito do Recife, Geraldo Julio (PSB), o vereador Renato Antunes (PSC) disparou contra a atuação do deputado federal João Campos (PSB) na crise ambiental provocada pelo vazamento de óleo no litoral nordestino. Segundo o vereador, o socialista deveria deixar de lado as fotos para redes sociais “com metade da mão melada de óleo e sapato enxuto” para cobrar medidas do prefeito Geraldo Julio (PSB) como a decretação de estado de emergência.

O pano de fundo é a sucessão do prefeito e o fato do filho do ex-governador Eduardo Campos ser o principal cotado para a disputa pelo PSB.

LEIA TAMBÉM
» João Campos consegue assinaturas para CPI do Vazamento de Óleo
» João Campos e Célia Sales são hostilizados após tentarem limpar óleo de praias
» ‘João Campos é candidato porque é filho da rainha’, diz Jayme Asfora
» Vereador rebate Jayme Asfora e defende candidatura de João Campos pelo PSB

Foto: Guga Matos/Arquivo JC Imagem

“Enquanto o deputado federal João Campos fica fazendo foto para redes sociais com metade da mão melada de óleo e sapato enxuto, deveria cobrar uma postura mais enérgica do PSB. Já era para o município ter pedido um crédito suplementar, para conseguir dinheiro e se antecipar à situação de emergência. No entanto, a prefeitura prefere dizer que não tem um real em caixa para despesas extras. Também não se decretou estado de emergência na cidade até agora, o que permitiria buscar um apoio emergencial. Falta ousadia”, afirmou Renato Antunes.

Antunes afirmou ainda que o momento é de união para solucionar a crise ambiental.

“É preciso investigar, procurar e condenar os culpados, mas o momento agora é de todos os entes trabalharem no propósito de sanar e reduzir os estragos causados por este desastre, que castiga nosso litoral, a fauna e milhares de famílias nordestinas”, disse.


FECHAR