publicidade
14/09/19

MST organiza evento para barrar despejo no Centro Paulo Freire, em Caruaru

14 / set
Publicado por Fillipe Vilar em Notícias às 7:20

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) marcou para este final de semana, nos dias 14 e 15 de setembro, o início de um evento contra a ordem de desocupação do Centro de Formação Paulo Freire, em Caruaru. Chamado de “Acampamento da Resistência”, a série de atos políticos espera receber 2 mil pessoas.

Famílias acampadas e assentadas de todo estado prometeram firmar uma vigília contra o despejo do centro. A mobilização deve ser permanente, já que o prazo dado pela Justiça para saída espontânea do MST está marcado para o próximo dia 19.

LEIA MAIS
»Frente de parlamentares se une contra despejo no Centro Paulo Freire, em Caruaru
»Justiça Federal explica cumprimento da sentença de reintegração do centro Paulo Freire, em Caruaru

São esperados militantes de movimentos sociais e de organizações do campo e da cidade.

O acampamento começará a ser firmado na manhã do sábado (14) e um ato político está marcado para as 17h do mesmo dia. Há uma programação política, cultural e religiosa organizada para todo o final de semana, que conta com caminhadas, místicas, shows e vigílias em defesa do centro.

Na última segunda-feira (9), o dirigente nacional do MST, Jaime Amorim, anunciou o Acampamento da Resistência durante coletiva de imprensa. “Nós vamos organizar os assentados que estejam dispostos e faremos de Normandia um processo de luta importante”, afirmou.

»Humberto Costa e Teresa Leitão repudiam desapropriação no Centro Paulo Freire

Reintegração

O pedido de reintegração de posse foi feito pelo Instituto Nacional da Reforma Agrária (Incra) em 2008. Contudo, só foi julgado em 2017, quando o Supremo Tribunal de Justiça (STJ) deu ganho de causa ao instituto. No último dia 5 de setembro, o cumprimento urgente do despejo foi determinado pelo juiz da 24ª Vara Federal.

O MST recorreu judicialmente sobre a decisão da Justiça Federal. O movimento afirmou que está disponível para o diálogo, mas diz que não aceitará retrocessos nos trabalhos desenvolvidos pelo Centro de Formação Paulo Freire. Para o MST, o centro tem se consolidado como referência na expansão da agroecologia em Pernambuco.


FECHAR