publicidade
12/09/19
Célia e Romero Sales (Foto: Divulgação)
Célia e Romero Sales (Foto: Divulgação)

MPPE recomenda exoneração de três cunhadas de Célia Sales de cargos em Ipojuca

12 / set
Publicado por Fillipe Vilar em Notícias às 15:12

Atualizada às 19h58

Nesta quinta (12), o Ministério Público de Pernambuco (MPP) publicou em seu Diário Oficial uma recomendação de exoneração das três cunhadas da prefeita de Ipojuca, Célia Sales, de sua gestão. Ela, que é casada com o Secretário de Governo do município Romero Sales, contratou as três irmãs de seu marido para os cargos de Assessora Especial da Prefeita e da Secretaria Executiva de Educação.

O MPPE solicitou que a prefeita Célia Agostinha Lins de Sales, demita imediatamente, com um prazo limite de 30 dias, as Assessoras Especiais Rosane de Fátima Raposo Sales Cavalcanti e Roberta de Fátima Raposo Lacerda; e a Secretária Executiva Rosemary de Fátima Raposo dos Santos.

LEIA MAIS
»Prefeita de Ipojuca vai licitar ‘carro blindado’ com recursos públicos
»Câmara de Vereadores de Ipojuca quer gastar 300 mil reais apenas com ‘projetos’ de construção de nova sede
»Ipojuca afasta secretários a pedido da Justiça, mas marido da prefeita não está na lista que circula nas redes sociais
»Decisão favorável do TCE anima Carlos Santana a disputar prefeitura de Ipojuca

Para os promotores, a contratação das cunhadas é considerada a prática de nepotismo. A prefeita Célia Sales tem o período de 10 dias para apresentar as providências adotadas para o cumprimento da recomendação. Caso não atenda, o MPPE poderá entrar com uma ação de improbidade administrativa contra a gestora.

Outro lado

A assessoria de comunicação de Ipojuca enviou uma nota explicando o caso. Segue o texto:

Nota à imprensa

A Prefeitura do Ipojuca confirma o recebimento da recomendação do Ministério Público de Pernambuco que pede a exoneração das três servidoras citadas e informa que se manifestará sobre as medidas cabíveis a serem tomadas, sempre respeitando os princípios administrativos, dentro do prazo estabelecido pelo próprio Ministério Público, que é de 10 dias


FECHAR