publicidade
11/09/19
Lei foi sancionada pelo prefeito em exercício do Cabo, Keko do Armazém (Foto: Divulgação)
Lei foi sancionada pelo prefeito em exercício do Cabo, Keko do Armazém (Foto: Divulgação)

Câmara do Cabo cria 31 cargos de assessor parlamentar

11 / set
Publicado por Amanda Miranda em Notícias às 18:38

Atualizado nesta quinta-feira (12), às 11h com nota da Câmara do Cabo

Com 17 vereadores, a Câmara do Cabo de Santo Agostinho, no Grande Recife, criou 31 cargos de assessor parlamentar especial, com salário de R$ 4 mil.

Hoje, a folha de pagamento da Casa Legislativa já tem 240 funcionários, incluindo os próprios parlamentares e, segundo o Portal da Transparência, chegou a R$ 1.737.672,52 em agosto.

Desse total, ainda segundo o portal, 100 são assessores parlamentares — a maioria com salário de R$ 8,4 mil — e 16 são assessores especiais com remuneração de R$ 8 mil.

LEIA TAMBÉM
» Lula Cabral pede a Dias Toffoli para voltar à Prefeitura do Cabo
» Betinho Gomes anuncia que abre mão de disputar a Prefeitura do Cabo
» Apostando em era pós-Lula Cabral, PT quer empinar nome próprio no Cabo
» Vereadores do Cabo derrubam pedido de cassação de Lula Cabral
» Câmara do Cabo dobra valor da verba para combustível para vereadores
» Câmara do Cabo aumenta número de vereadores a partir de 2020

A lei criando os novos cargos foi sancionada nessa terça-feira (10) pelo prefeito em exercício, Keko do Armazém (PDT), e publicada nesta quarta (11) no Diário Oficial dos Municípios.

Entre as funções dos novos cargos comissionados, segundo a lei, está auxiliar a mesa diretora, os departamentos da Câmara e os gabinetes dos vereadores. A escolaridade exigida é nível médio completo.

De acordo com a lei sancionada, os cargos comissionados serão lotados no gabinete da presidência da Casa. Apesar disso, poderão ser cedidos para os vereadores e, nesses casos, deverão auxiliar na articulação política dos parlamentares.

A lei foi aprovada com dois votos contrários, dos vereadores José de Arimatéia (PSDB) e de Ricardinho (Solidariedade).

O Blog de Jamildo procurou a Câmara para saber onde será a atuação dos novos funcionários e qual será o impacto financeiro da nova lei, mas não obteve resposta. Não houve resposta também sobre o número de servidores efetivos e comissionados atualmente.

Em nota, o presidente da Casa, Vicente Mendes Neto (PDT), defendeu que na sua gestão houve uma redução de 220 cargos. Além disso, enfatizou que não há verba de gabinete na Câmara.


FECHAR