publicidade
04/09/19
Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil
Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

Bolsonaro ataca pai de Bachelet, morto na ditadura chilena, e é criticado por Piñera

04 / set
Publicado por Amanda Miranda em Notícias às 21:31

Jair Bolsonaro (PSL) foi criticado nesta quarta-feira (4) pelo presidente do Chile, Sebastián Piñera. O chileno afirmou, em pronunciamento oficial, que não compactua com as falas de Bolsonaro, que atacou o pai de Michele Bachelet, morto pela ditadura militar do país.

Piñera é um dos principais aliados regionais de Bolsonaro. O presidente chileno afirmou ter “compromisso com a democracia, a liberdade e o respeito aos direitos humanos” e disse que, apesar de existirem visões distintas sobre os governos nos anos 1970 e 1980, elas devem ser expressa “com respeito às pessoas”. 

LEIA TAMBÉM
» Felipe Santa Cruz: Bolsonaro se diz cristão, mas não exerce
» Artigo: A morte e a morte de Fernando Santa Cruz. Por José Paulo Cavalcanti Filho
» MPF denuncia delegado que disse ter transportado corpo de Fernando Santa Cruz
» Bolsonaro está namorando a ideia do autoritarismo, diz Felipe Santa Cruz

“Senhora Michele Bachelet, se não fosse o pessoal do Pinochet (Augusto Pinochet, que governou o Chile de 1973, quando foi dado o golpe militar, a 1990) derrotar a esquerda em 73, entre eles seu pai, o Chile seria uma Cuba”, afirmou Bolsonaro no Palácio da Alvorada. 

Bachelet é a alta comissária da Organização das Nações Unidas (ONU) para os direitos humanos e ex-presidente do Chile. Em entrevista, ela afirmou que vê uma redução do espaço democrático no Brasil e criticou a violência policial.

O pai da ex-presidente do Chile, o general Alberto Bachelet, morreu em 1974, um ano após o golpe militar, na cela onde estava preso. De acordo com o projeto Memória Viva, o Serviço Médico Legal (SML) chileno confirmou que as torturas a que foi submetido provocaram a parada cardíaca que o matou.

» Contratos de empresa do presidente da OAB com estatais não foram obtidos em licitação, mas são regulares
» Pai de presidente da OAB foi vítima do regime militar e não dos próprios companheiros
» Palácio do Planalto distribui vídeo em defesa do golpe militar de 1964
» Com presença de Bolsonaro, oito países criam Prosul

Piñera afirmou não compartilhar a fala de Bolsonaro, “especialmente em um tema tão doloroso como a morte do seu pai”. 

Além de atacar o pai de Bachelet, Bolsonaro afirmou que “parece que quando tem gente que não tem o que fazer, como a senhora Michele Bachelet, vai lá para a cadeira de direitos humanos da ONU”. Além disso, acusou a ex-presidente de estar “defendendo direitos humanos de vagabundos”.

Bolsonaro ainda voltou a fazer as declarações nas redes sociais.

Felipe Santa Cruz

Bolsonaro também atacou o pai do presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz, em agosto. O pernambucano Fernando Santa Cruz desapareceu em 1974, durante a ditadura militar no Brasil. De acordo com a Comissão da Verdade, agentes da repressão foram responsáveis pelo assassinato dele.

Em entrevista ao Resenha Política, na semana passada, Felipe criticou Bolsonaro. Veja:


FECHAR