publicidade
14/08/19
Foto: Sérgio Bernardo/JC Imagem
Foto: Sérgio Bernardo/JC Imagem

João Paulo barrou voto de aplauso a Bolsonaro na Assembleia Legislativa de Pernambuco

14 / ago
Publicado por jamildo em Notícias às 9:00

O requerimento nº 693/2019, de autoria do deputado Romero Albuquerque (PP), que estava na pauta de votações da Reunião Plenária desta terça (13) da Assembleia Legislativa do Estado, provocou posicionamentos divergentes.

A proposta sugeria um Voto de Aplausos ao presidente da República, Jair Bolsonaro, pela iniciativa de criar a Secretaria dos Animais.

O documento não chegou a ser votado por falta de quórum, mas levou alguns parlamentares à tribuna para apoiar ou criticar a medida.

O deputado João Paulo (PCdoB) afirmou ser contrário à iniciativa e pediu verificação de quórum para apreciação da matéria.

“No dia a dia, o presidente tem cometido atos que só desagradam a população. Como poderia aprovar um Voto de Aplausos para ele?”, questionou o deputado comunista.

Segundo o autor do requerimento, a proposta visa enaltecer a sensibilidade do presidente com a causa animal e não tem nada a ver com ideologia partidária. “Para mim, a ideia de criar a secretaria foi excelente”.

aplauso à Cuba

O deputado Pastor Cleiton Collins (PSC) externou voto contrário ao Requerimento nº 757/2019, apresentado pelo deputado Isaltino Nascimento (PSB), solicitando uma Reunião Solene em homenagem aos 60 anos da Revolução Cubana.

“A Casa não deveria parar seus trabalhos para enaltecer um período que levou ao sofrimento do povo cubano”, disse o parlamentar.

O mesmo posicionamento foi adotado pelo deputado Henrique Queiroz Filho (PR).

‘Frente Parlamentar em Defesa da Democracia’

O deputado João Paulo (PCdoB) foi à tribuna, durante a Reunião Plenária desta terça (13), pedir apoio dos demais legisladores para a criação da Frente Parlamentar em Defesa da Democracia.

De acordo com ele, o colegiado atuaria como contraponto a ações e declarações do presidente Jair Bolsonaro que atentem contra os valores do Estado Democrático de Direito.

“Diante deste clima incerto e sombrio, marcado por declarações agressivas, xenofóbicas e ameaçadoras, proponho à Casa este grupo de trabalho. O objetivo é que ele seja uma trincheira em prol da Constituição e dos valores democráticos que vêm sendo frequentemente desrespeitados por Bolsonaro”, alegou. Na avaliação do parlamentar, componentes de regimes autoritários, como censura, ameaças à oposição e à justiça e políticas anticientíficas, são verificados na atuação do chefe do Poder Executivo federal.

De acordo com o Regimento Interno da Alepe, as frentes parlamentares precisam da assinatura de apoio de ao menos um terço dos deputados, além de passar pela aprovação no Plenário.


FECHAR