publicidade
14/08/19
foto: Diego Nigro/JC Imagem
foto: Diego Nigro/JC Imagem

Bivar diz que Bolsonaro não se envolveu na expulsão de Frota do PSL

14 / ago
Publicado por Douglas Fernandes em Notícias às 9:55

O presidente nacional do PSL, deputado federal Luciano Bivar (PE), negou que a expulsão do deputado federal Alexandre Frota (SP) da legenda tenha sido um pedido do presidente Jair Bolsonaro (PSL) após as críticas que sofreu do agora ex-pesselista. Em entrevista, nesta quarta-feira (14) ao programa Passando a Limpo, na Rádio Jornal, Bivar disse que a decisão foi “assunto privado e particular do partido” e que o presidente “não gosta de se meter” em assuntos internos da sigla.

Segundo o jornalista da GloboNews Valdo Cruz, Bolsonaro teria determinado a expulsão de Frota ao presidente do PSL porque estaria muito irritado, principalmente, com as críticas do ex-ator pornô à indicação do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) à embaixada do Brasil nos Estados Unidos.

Luciano Bivar contou que que teve uma longa reunião com Bolsonaro há 10 dias, mas ressaltou que o presidente não o abordou sobre a situação de Frota. “Em nenhum momento, (Bolsonaro) ele tocou no assunto do Frota. (Ele) Mostrou seu descontentamento e o partido ás vezes as pessoas brigam entre si, claro. Mas isso também (ele) entende. Ele foi parlamentar durante muitos anos”, disse.

Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados

Bivar confirmou, contudo, que a desfiliação de Frota foi motivada pelos ataques a Bolsonaro e a colegas de bancada e que o parlamentar não foi enquadrado em “infidelidade partidária” como havia sido informado. “Eu tenho um sentimento que estamos muito integrados entre o presidente e o partido. Então não
é porque Frota vem realmente denegrir a imagem do presidente, fazer uma avaliação bisonha do
governo e ficar realmente impune não poderia jamais”, afirmou.

O presidente do PSL relatou ainda que “várias vezes” alertou Frota de que ele estava “comprometendo” a relação do partido. E que ex-filiado teria concordado, mas que “chegava no plenário, agindo pela emoção, dizia coisas que não tinham ás vezes procedência”. “Deixou todos muito realmente descontentes”, disse o dirigente.

Confira a entrevista na íntegra


FECHAR