publicidade
13/08/19
Foto: Marcos Pastich/ Arquivo JC Imagem
Foto: Marcos Pastich/ Arquivo JC Imagem

Câmara de Camaragibe aprova abertura de novo impeachment contra Meira

13 / ago
Publicado por Douglas Fernandes em Notícias às 12:22

No início da tarde desta terça-feira (13), a Câmara de Vereadores de Camaragibe aprovou a abertura de novo processo de impeachment contra o prefeito afastado da cidade, Demóstenes Meira (PTB) com 11 votos favoráveis, uma abstenção e uma ausência. O processo é baseado na denúncia do advogado Gladstone Freitas Cordeiro, protocolada na Casa no último dia 25 de junho, cinco dias após a prisão de Meira na deflagração da segunda fase da Operação Harpalo.

Procurada pela reportagem do Jornal do Commercio, a prefeita em exercício, Nadegi Queiroz (DC), afirmou que não ia se pronunciar sobre o assunto.

Após a votação, foi definida por sorteio a comissão formada para analisar o processo de cassação do prefeito afastado. O comissão do impeachment será presidida pelo vereador José Roberto (PTC), conhecido como Roberto da Loteria. O presidente da Câmara, Antônio Oliveira (PTB), que foi autor do primeiro pedido de impedimento do petebista, será o relator. Segundo o regimento, Toninho, como é conhecido, terá que passar a condução do processo de impeachment para o primeiro vice-presidente do legislativo municipal. 

O vereador Severino Gomes (DEM), conhecido como Severino Cabeça, completa o colegiado. A comissão terá até 90 dias para apresentar um parecer favorável ou contrário ao impeachment de Meira e votá-lo. Se aceito, o processo vai para o plenário e o prefeito afastado terá 15 dias para apresentar sua defesa.

“Camaragibe estava cobrando uma resposta da Câmara. Hoje, a Casa fez o seu papel, foram 11 favoráveis, 11 que fizeram aceitaram a denúncia. Agora, restam 90 dias para darmos o voto final”, disse Toninho.

Como os vereadores votaram

Adriano da Tabatinga (PV) – A favor
Antônio Oliveira (PTB) – A favor
Délio Júnior (PSD) – A favor
Eugênio Vitorino (Pros) – A favor
Hélio Albino (PDT) – A favor
José Roberto (PTC) – A favor
Léo Família (PDT) – A favor
Lindomar Santos (PSDB) – Ausente por motivos de saúde
Manoel Rodrigues (PP) – A favor
Paulo André (PSB) – Abstenção
Renê Cabral (PRB) – A favor
Severino Gomes (DEM) – A favor
Tomé (PV) – A favor

Denúncia

Demóstenes Meira está preso desde do dia 20 de junho no Centro de Observação e Triagem Everardo Luna (Cotel), em Abreu e Lima, na Região Metropolitana do Recife (RMR). No mesmo dia da prisão de Meira, a vice-prefeita Nadegi Queiroz (DC) assumiu o comando da prefeitura pelo prazo de 180 dias. A denúncia do advogado cita as investigações da Operação Harpalo, que apura suspeitas de fraudes na licitação para a reforma do prédio da prefeitura, além de corrupção e lavagem de dinheiro. Segundo a Polícia Civil, Meira seria o líder da organização criminosa que teria supostamente praticado esses crimes.

O denunciante também aponta suposta quebra de decoro de Meira e investigações sobre assédio sexual e moral envolvendo servidoras da prefeitura contra o gestor afastado.

O Blog de Jamildo procurou a defesa de Meira no caso da Operação Harpalo, mas ela afirmou que é só responsável pela esfera criminal e não soube dizer quem poderá responder sobre o processo de cassação do petebista.

Segundo impeachment

Essa é a segunda tentativa de impeachment contra Meira em menos de seis meses. No dia 26 de fevereiro deste ano, a Câmara de Vereadores aprovou a abertura do impedimento do petebista em uma sessão tumultuada e com reviravolta. O pedido se baseava em uma denúncia do presidente do legislativo municipal, Antônio Oliveira (PTB), sobre a “convocação”de Demóstenes Meira de funcionários com cargos comissionados da administração municipal para o show da cantora Taty Dantas, que ganhou repercussão nacional.

A comissão formada para analisar o processo aprovou o parecer favorável à cassação do gestor. O plenário iria votar o impeachment no dia 23 de maio, mas o processo foi suspenso por decisão da justiça na véspera da votação. A decisão da Justiça foi ressaltada pelo vereador Paulo André (PSB), que se absteve na votação.

“Minha posição, desde o princípio sempre mostrou coerência. Eu fui eleito pelo povo para fazer leis e cumpri-las, não para passar por cima delas. Independente de ter novas denúncias, existe um curso de processo de impeachment que está sob judicie na Comarca de Camaragibe. Aí foi apresentado uma nova, mesmo assim passando, mesmo não integrando a comissão, estarei de perto. O momento oportuno não é esse de abrir, mas sim o de cassação”, defendeu.


FECHAR