publicidade
08/08/19
Fotos: Cleia Viana/Câmara dos Deputados
Fotos: Cleia Viana/Câmara dos Deputados

Felipe Carreras e Tabata Amaral criam grupo de dissidentes do PSB e PDT

08 / ago
Publicado por Douglas Fernandes em Notícias às 13:41

Na noite dessa quarta-feira (7), em Brasília, o grupo de 18 deputados (eram 19) que não seguiram a orientação do PSB e PDT e votaram a favor da reforma da Previdência se reuniu pela primeira vez. O conjunto sofreu uma baixa com a mudança de voto no segundo turno da votação da proposta do deputado Luiz Flávio Gomes (PSB-SP). Dois parlamentares lideram a articulação do grupo de dissidentes favoráveis à reforma: Felipe Carreras (PSB-PE) e Tabata Amaral (PDT-SP), conforme adiantado pela coluna Pinga-Fogo JC, do jornalista Igor Maciel.

Carreras e Tabata já haviam se reunido separadamente com seus colegas de partido pró-reforma para começar a articulação do grupo. Na primeira reunião conjunta, foi feito um “pacto” para uma atuação deles daqui em diante. O Blog de Jamildo apurou que já foi até criado um grupo no WhatsApp para facilitar a comunicação entre eles e o primeiro encontro foi classificado como “excelente”.

Nas conversas do grupo, a possibilidade de criarem um novo partido para abrigá-los no caso de serem expulsos de suas legendas está no radar, segundo uma fonte. Todos respondem a processos disciplinares nos Conselhos de Ética das suas atuais legendas e podem receber desde de uma simples advertência a serem punidos com a expulsão. Todos os integrantes estão “extremamente insatisfeitos com suas direções partidárias”, mas essa não é a única alternativa avaliada por eles.

Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Apesar disso, a força da eventual criação de um novo partido é ressaltada pelos seus integrantes. Com 18 deputados, o grupo poderia formar a 12º maior bancada da Câmara dos Deputados. Atualmente, o posto é ocupado pelo PDT, que tem 24 representantes na Casa e poderia cair para 13º posição. O PSB – com 32 deputados – é a sétima maior bancada e poderia sofrer um baque com a expulsão dos 10 filiados e cair para o 11º posto. 

A migração do grupo para um partido já estabelecido também foi especulada, mas tem barreiras como aspectos regionais e se a totalidade dos seus membros se alinha à sigla escolhida, observa a mesma fonte. Tanto Carreras como Tabata receberem convites de partidos interessados em seus “passes”. O governador João Doria (PSDB) abriu as portas do partido para a pedetista assim como o presidente nacional do PSDB, ex-ministro Bruno Araújo, fez com o parlamentar.

Independente da decisão, a “bancada dos dissidentes” já propõe uma nova oposição ao governo Jair Bolsonaro (PSL) com a construção de um diálogo com o Palácio do Planalto, mas que, ao mesmo tempo, demarque a sua posição de oposicionistas. Querem se distanciar do discurso considerado “radical” do PT, PSB, PDT, Rede e PSOL e construir essa alternativa à esquerda no espectro político.


FECHAR