publicidade
07/08/19
Foto: Alan Santos/Presidência da República
Foto: Alan Santos/Presidência da República

No Twitter, Bolsonaro ironiza MP que acaba com balanço de empresas em jornais

07 / ago
Publicado por Fillipe Vilar em Notícias às 21:41

Com informações da Agência Câmara – O presidente Jair Bolsonaro autorizou empresas a publicarem seus balancetes gratuitamente nos sites da Comissão de Valores Mobiliares (CVM) ou no do Diario Oficial da União (DOU). A Medida Provisória 892 foi publicada no DOU na última terça-feira (6).

Na manhã desta quarta (7), o presidente, em publicação no Twitter, ironizou a MP.

Antes da medida, as empresas eram obrigadas a publicar seus balancetes em jornais de grande circulação, indicando o endereço da sede da companhia.

LEIA TAMBÉM
»Rodrigo Maia defende acordo para evitar que MP inviabilize jornais impressos

Congresso

Na Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), defendeu que a Câmara e o Senado construam um acordo para que os jornais não sejam inviabilizados pela Medida Provisória 892/19, assinada nesta terça-feira pelo presidente da República, Jair Bolsonaro.

Maia disse não acreditar que a MP tenha sido uma retaliação à imprensa, mas afirmou que a medida pode prejudicar os jornais.

A MP 892 permite que empresas publiquem seus balancetes no site da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) ou do Diário Oficial (DOU), em vez de veículos impressos.

Os jornais poderão perder receita com essa medida, já que, antes da edição da MP, a legislação exigia que os documentos fossem divulgados na imprensa oficial e em jornal de grande circulação.

Liberdade de expressão

Maia negou que a imprensa esteja atacando o presidente da República e defendeu a liberdade de expressão.

“Acho que a imprensa não está atacando ele [BOLSONARO], está divulgando notícia, se é contra ou a favor é a avaliação que cada um de nós temos que fazer”, declarou.

“Minha preocupação é que o papel jornal ainda é um instrumento da divulgação da informação, da garantia da liberdade de imprensa e de expressão da nossa democracia. Retirar essa receita dos jornais da noite para o dia não parece a melhor decisão”, afirmou o presidente da Câmara.


FECHAR