publicidade
04/08/19
Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Nomeado por Moro, presidente do Coaf pode cair após aval de Bolsonaro

04 / ago
Publicado por Douglas Fernandes em Notícias às 10:21

O presidente do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), Roberto Leonel, pode ser o próximo integrante do governo Jair Bolsonaro (PSL) a cair. Segundo o jornal Folha de S. Paulo, Leonel teria causado insatisfação de Bolsonaro e aliados próximos do presidente após ter se manifestado contra a decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, de suspender investigações com dados compartilhados pelo Coaf, Banco Central e Receita Federal sem autorização prévia da Justiça. A decisão de Toffoli atendeu a um pedido da defesa do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ). E foi defendida por Bolsonaro.

Nomeado pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, o presidente do Coaf estaria sendo alvo de integrantes do Palácio do Planalto que, segundo o jornal, estariam pressionado o ministro da Economia, Paulo Guedes, a demiti-lo. O órgão ficou sob a alçada de Guedes após ser transferido do Ministério da Justiça para a pasta de Economia com a aprovação da Medida Provisória da reforma administrativa no Congresso.

Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

Em entrevista ao jornal Estado de S. Paulo, Roberto Leonel havia afirmado haver “preocupação” com o impacto imediato da decisão e a possibilidade que ela seja referendada pelo plenário do STF. “Nesse cenário, a efetividade do sistema brasileiro de prevenção e combate à lavagem de dinheiro e ao financiamento do terrorismo, que tanto evoluiu nos últimos anos, ficaria sensivelmente prejudicada”, disse.

Na manhã deste domingo (4), Bolsonaro deixou em aberto a possibilidade de mudança na presidência do Coaf. Segundo o presidente, cabe a Paulo Guedes definir o destino de Leonel após a transferência do órgão para a sua pasta. 

» Vem Pra Rua cobra Bolsonaro sobre Coaf: ‘Tem algo podre no ar’

“Eu dei carta branca a todos os ministros para, vamos assim dizer, indicar as pessoas e o poder de veto. O Coaf, na medida provisória da reestruturação estava com (o Ministério da) Justiça. A partir do momento em que vai para a Economia, é o Paulo Guedes quem define. Ou alguém está desconfiando do Paulo Guedes agora aí? Qualquer um que quiser mudar qualquer coisa, muda sem problema nenhum não. Eu quero é que o seu ministério dê certo”, disse.

De acordo com o site O Antagonista, Bolsonaro e Guedes já teriam acertado a demissão do presidente do Coaf. E o motivo propagado seria que o chefe da pasta da Economia precisaria de “gente de confiança” no comando do órgão.


FECHAR