publicidade
17/07/19
Tabata Amaral (Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados)
Tabata Amaral (Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados)

PDT suspende Tabata Amaral e outro sete deputados pró-reforma

17 / jul
Publicado por Douglas Fernandes em Notícias às 13:17

O PDT suspendeu provisoriamente, nesta quarta-feira (17), as atividades partidárias e de representação na Câmara dos Deputados dos oito parlamentares do partido que votaram a favor da reforma da Previdência. A decisão veio com a abertura de um processo contra os parlamentares dissidentes, entre eles a novata Tabata Amaral (SP).

As medidas foram definidas em reunião da Executiva Nacional com o Conselho de Ética e movimentos sociais ligados à sigla. A suspensão vale até que o processo contra os pedetistas seja finalizado e a eventual punição seja decidida, o que deve ocorrer entre 45 a 60 dias.

No Twitter, o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, anunciou a decisão e aproveitou para voltar a criticar os deputados por, segundo ele, terem votado “contra o povo brasileiro”.

O processo contra os deputados passa pelo Conselho de Ética, que analisa e abre o prazo para as suas defesas. O colegiado encaminha ao final um relatório com a recomendação sobre eventuais punições ao Diretório Nacional, que é responsável pela palavra final sobre o destino dos filiados.

As punições previstas vão de uma simples advertência à expulsão. A cúpula do PDT seguiu caminho diferente ao do PSB, que também abriu processo contra seus 11 deputados pró-reforma, mas não os suspendeu das suas atividades partidárias e de representação.

Além de Tabata, Alex Santana (BA), Flávio Nogueira (PI), Gil Cutrim (MA), Jesus Sérgio (AC), Marlon Santos (RS), Silvia Cristina (RO) e Subtenente Gonzaga (MG), integrante da Frente Parlamentar da Segurança Pública, votaram a favor da reforma.

Eles não poderão manter cargos nas direções estadual e nacional da sigla. Na Câmara, os dissidentes podem ficar fora de comissões já que os partidos é que indicam seus representantes, além de não poderem falar em nome do partido nas discussões.


FECHAR