publicidade
08/07/19

Rodrigo Maia cobra que governo baixe juros e mostre ações após aprovação da reforma

08 / jul
Publicado por jamildo em Notícias às 17:30

Além de ter dito que, se passar, a aprovação da reforma da Previdência seria uma vitória do Parlamento, não do governo Bolsonaro, que teria atrapalhado mais do que ajudado nos trabalhos, o presidente da Câmara dos Deputados já disse que espera mais ação do governo Federal.

Nesta segunda-feira, véspera do provável início da votação da reforma da Previdência, Rodrigo Maia defendeu a modernização do estado brasileiro para garantir mais eficiência nas políticas públicas e mais competitividade e produtividade para o setor privado.

Maia disse que o estado custa muito caro para o cidadão e sobram poucos recursos do orçamento público federal para investimento.

“Tenho certeza de que o Parlamento vai construir a solução da reestruturação do estado, começando pela Previdência e esperamos que, no momento seguinte, a gente já veja redução de juros, e propostas para retomada da geração de empregos e aumento da produtividade e da competitividade no País”, defendeu.

Hoje, Maia participa de reunião de líderes para a definição dos procedimentos de votação da reforma.

O deputado federal Sílvio Costa Filho, do PRB, um dos membros mais destacados da comissão especial da reforma da Previdência, na Câmara dos Deputados, disse nesta segunda-feira, assim que chegou em Brasília, que vai trabalhar para que os republicanos (PRB) fechem questão em torno da aprovação da reforma, no plenário da casa, nesta semana.

Caso a iniciativa seja bem sucedida, são 31 votos a favor da reforma da Previdência. Em conversas com os líderes da casa, como Rodrigo Maia, Silvio Costa Filho disse que há uma aceitação muito positiva e que o fechamento da questão fortalece a unidade do PRB.

Já o presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, convocou para esta segunda-feira (8), uma reunião do Diretório Nacional, em Brasília, para discutir e deliberar sobre a posição do partido acerca da reforma da Previdência. A decisão irá orientar as bancadas socialistas na Câmara e no Senado Federal. Marcado inicialmente para as 14 horas, o encontro foi transferido para o final da tarde.


FECHAR