publicidade
20/06/19
O prefeito afastado de Camaragibe, Demóstenes Meira (PTB) com a vice-prefeita, Nadegi Queiroz (PTC) (Foto: Divulgação)
O prefeito afastado de Camaragibe, Demóstenes Meira (PTB) com a vice-prefeita, Nadegi Queiroz (PTC) (Foto: Divulgação)

Rompida com prefeito de Camaragibe, Nadegi Queiroz assume prefeitura

20 / jun
Publicado por Douglas Fernandes em Notícias às 10:54

Atualizado no dia 21 de junho com a nota da defesa do prefeito 

Após a prisão e o afastamento cautelar do prefeito de Camaragibe, Demóstenes Meira (PTB), na manhã desta quinta-feira (21), a vice-prefeita Nadegi Queiroz (DC) assumirá o comando do município. Rompida com o petebista após apenas 24 dias de gestão, em 2017, a vice-prefeita tomou posse ainda nesta quinta (21), na Câmara de Vereadores. Em entrevista ao Blog de Jamildo, Nadegi Queiroz afirmou que a prisão do ex-aliado é “uma coisa lógica”.

“Existe a materialidade para o fato. Essa investigação realmente reflete o que o município estava passando com relação à saúde, infraestrutura e insatisfação popular, na desarticulação das secretarias. Eu acho que esse encaminhamento jurídico foi extremamente compreendido pela população. Que se faça justiça para se ter cuidado e zelo com o dinheiro público. Que sirva de exemplo para muito gestor que não esteja levando a sério o dinheiro do povo”, afirmou.

Procurada, a defesa de Demóstenes Meira afirmou, em nota assinada pelos advogados Ademar Rigueira e André Caúla, “que a decisão de afastamento do cargo e a prisão preventiva do prefeito de Camaragibe não cumpriram os requisitos legais, posto que nenhum motivo novo foi apresentado pela Polícia Civil ao Tribunal, senão aqueles que já haviam sido indeferidos pelo desembargador relator em março deste ano”.

Os defensores anunciaram também que entrarão com um Habeas Corpus no Superior Tribunal de Justiça (STJ) para libertar o prefeito afastado.

</p

Segundo a vice-prefeita, que já recebeu ofício do presidente da Câmara de Camaragibe, Antônio Oliveira (PTB), não haverá uma solenidade para marcar a sua posse e a transferência de cargo será “cartorial”. “A cidade não tem motivo nenhum para fazer nenhum tipo de solenidade. É um momento triste para a cidade, mas ao mesmo tempo é momento feliz para a população que vai ver que a cidade vai mudar”, disse.

LEIA TAMBÉM
» Polícia Civil prende o prefeito de Camaragibe, Demóstenes Meira
» Delegada diz que prefeito de Camaragibe é líder de organização criminosa
» Nadegi Queiroz diz que fará auditoria na Prefeitura de Camaragibe

Apesar de ter se mantido afastada da administração municipal após ter deixado o cargo de secretária de Saúde, ela diz ter conhecimento da máquina para assumir em um momento em que a prefeitura é alvo de ações do Tribunal de Contas do Estado (TCE-PE) e do Ministério Público Estadual (MPPE).

“Eu já conheço bem aquela máquina pública e conto com o funcionário público municipal. Para mim, ele é fundamental, é o maior tesouro da prefeitura. A gente vai trazer funcionário público para ajudar nessa gestão juntamente com pessoas do bem que querem o bem da cidade”, apontou.

Foto: Jailton Júnior/TV Jornal

Ela não esconde, contudo, que já vinha articulando para ser candidata à prefeitura do município na eleição de 2020. O partido dela, o Democracia Cristã (DC), conta com o nome dela para a disputa do ano que vem. “A gente vem conversando com alguns partidos políticos, com lideranças municipais e pretendo realmente ser candidata à prefeita”, disse.

» Prefeito de Camaragibe, Meira presta depoimento no Draco
» Prefeitura de Camaragibe é alvo de buscas em operação contra corrupção
» Tudo envolve o prefeito de Camaragibe, diz delegado sobre operação

Rompimento

Eleita vice-prefeita na chapa que elegeu Demóstenes Meira prefeito nas eleições de 2016, a ginecologista Nadegi Queiroz anunciou pelo seu Facebook o rompimento com o petebista apenas 24 dias após tomar posse no cargo e acumular o comando da Secretaria de Saúde. Ela alegou discordar com a condução da gestão de Meira em relação aos convênios e contratos da prefeitura e o fechamento do Hospital Aristeu Chaves.

“Eu estava afastada da gestão desde de janeiro de 2017. Eu passei 24 dias com Meira porque não concordava com o estilo de administração que ele vinha impondo. Eu não concordava com nada daquilo. Então, eu não consigo dizer absolutamente nada porque eu não estava de dentro da gestão. Tudo que eu sei é pela mídia”, disse em referência à prisão do prefeito hoje afastado.

“Em não concordando, ele não concordou com a minha permanência e inventou uma série de situações para me tirar da secretaria. Então eu entreguei meu cargo”, emendou.

Veja o relatório de auditoria do TCE-PE que embasou o pedido de prisão do prefeito Meira


FECHAR