publicidade
18/06/19
Foto: José Cruz/Agência Brasil
Foto: José Cruz/Agência Brasil

Saiba como será a audiência da CCJ do Senado com Moro

18 / jun
Publicado por Amanda Miranda em Notícias às 14:31

Do Blog de Jamildo, com informações da Agência Senado

A presidente da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), Simone Tebet (MDB-MS), anunciou nesta terça-feira (18) como será a audiência pública com o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro. O ex-juiz vai ao colegiado nesta quarta-feira (19) para falar sobre a divulgação de supostas conversas entre ele e procuradores da força-tarefa da Operação Lava Jato vazadas.

  • A audiência com Moro está marcada para as 9h
  • Moro começará falando por até 30 minutos 
  • Depois, cada senador inscrito terá cinco minutos
  • Moro poderá responder cada um por até cinco minutos, o mesmo tempo previsto para o senador
  • A tréplica do parlamentar poderá ter até dois minutos

LEIA TAMBÉM
» ‘Publiquem tudo se quiserem’, diz Moro sobre conversas vazadas
» Moro não reconhece autenticidade de novas mensagens vazadas
» Novo vazamento sugere que Moro teria orientado MPF após depoimento de Lula
» Moro diz que pode ter cometido um ‘descuido formal’
» ‘Da doutora Raquel Dodge não se ouviu a voz’, diz procurador sobre vazamentos

Ainda não há informações sobre o número de senadores que devem falar, pois, de acordo com a presidente da CCJ, a lista de inscritos será aberta às 9h. Segundo a Agência Senado, está previsto reforço na segurança para a reunião da comissão.

Vazamentos

O site The Intercept divulgou nos últimos dias 9 e 14 trechos de mensagens que teriam sido trocadas entre Moro, quando era juiz à frente de processos da Lava Jato, e procuradores da força-tarefa da operação, entre eles o chefe do grupo, Deltan Dallagnol.

 A CCJ aprovou nesta terça-feira (18) o requerimento de convite também a Dallagnol, a pedido de Angelo Coronel (PSD-BA). O Senado vai ouvir ainda o jornalista norte-americano Glenn Greenwald, editor do The Intercept, em audiência do Conselho de Comunicação Social, no dia 1º de julho.

OPINIÃO
» Um tiro na Lava Jato
» O Cerco. A Fraude. A Queda

Em uma das conversas, no dia 10 de maio de 2017, o então magistrado teria sugerido pelo Telegram ao ex-procurador da República Carlos Fernando Santos Lima enviar uma nota oficial à imprensa sobre o depoimento do ex-presidente Lula no caso triplex, pelo qual foi condenado e preso. A mensagem atribuída a Moro explica que a sugestão de emitir uma nota seria porque “a defesa já fez o showzinho dela”. No dia seguinte, Santos Lima concedeu entrevista no Resenha Política:

» Para Gilmar, conversas entre e Moro e Deltan anulam condenação de Lula
» Moro foi coordenador da Lava Jato e deveria ser juiz, diz Marília Arraes
» Líder do PDT defende CPMI para investigar mensagens de Moro
» Túlio Gadêlha quer chamar Glenn Greenwald para falar sobre vazamentos
» Flávio Dino defende afastamento de Moro do Ministério da Justiça

Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, Moro afirmou que agiu dentro da legalidade. Em nota, disse que “não reconhece a autenticidade e não comentará supostas mensagens de autoridades públicas colhidas por meio de invasão criminosa de hackers e que podem ter sido adulteradas e editadas”.


FECHAR