publicidade
05/06/19
Foto: Rodrigo Veríssimo/Divulgação
Foto: Rodrigo Veríssimo/Divulgação

‘Governadores têm que trazer o ônus para si’, diz Mourão sobre reforma

05 / jun
Publicado por Douglas Fernandes em Notícias às 16:03

Em almoço antes da solenidade entrega do Título de Cidadão Recifense, o vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) defendeu a manutenção de Estados e municípios na reforma da Previdência. O general da reserva citou conversas com os governadores dos Estados nordestinos e ressaltou que os gestores têm que assumir o “ônus” da proposta. Segundo Mourão, a retirada de estados e municípios da reforma será “prejudicial”.

“Eu tenho conversado com os governadores do Nordeste. Os governadores têm que trazer o ônus pra si. Suportar o desconforto. O governador foi eleito para corrigir os problemas do Estado, não pensar na reeleição. Buscar a solução do problema que o elegeu. Na discussão da reforma previdenciária, há um movimento para retirar o funcionalismo dos estados e municípios da reforma, o que vai ser prejudicial. Temos que enfrentar a isso ai”, disse o vice-presidente.

LEIA TAMBÉM
» Mourão chora ao receber título de cidadão do Recife
» Paulo Câmara e Geraldo Julio não foram à homenagem a Mourão
» Mourão recebe título de cidadão recifense
» ‘Governadores têm que trazer o ônus para si’, diz Mourão sobre reforma
» Mourão revelou conhecimento do Nordeste, diz Armando Monteiro
» ‘Fui vice e não existe o verbo vice-governar’, diz Gustavo Krause sobre Mourão
» No Recife, Mourão almoça com empresários antes de homenagem

Além das mudanças no sistema de aposentadorias, Mourão afirmou que o país precisa de uma reforma para o comércio exterior. “A abertura tem que ser lenta, gradual e segura. Está muito atrelado à questão tributária. Com o custo Brasil pendurado no cangote dos empresários, não poderemos fazer uma abertura unilateral”, disse o general. A fala dele está na mesma linha que o ministro da Economia, Paulo Guedes, vem afirmando.

STF

O vice-presidente ainda fez uma defesa do fim das decisões monocráticas no Supremo Tribunal Federal (STF).

“Hoje está centrada nos ministros do STF a nossa segurança jurídica. Deveria ter um acordo para que não houvesse decisões monocráticas dentro do Supremo. Cada um dá sua opinião sobre assunto, o que atrasa a discussão”, disse.


FECHAR