publicidade
05/06/19
Foto: Felipe Ribeiro/JC Imagem
Foto: Felipe Ribeiro/JC Imagem

Mourão recebe título de cidadão recifense

05 / jun
Publicado por Douglas Fernandes em Notícias às 17:35

Em sua primeira passagem por Pernambuco após tomar posse, o vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) recebeu, no fim da tarde desta quarta-feira (5), o título de cidadão recifense em solenidade na Câmara de Vereadores. Autor da proposta de homenagem quando era então vereador, o deputado estadual Marco Aurélio (PRTB), líder da oposição ao governo Paulo Câmara (PSB), entregou a honraria ao general da reserva. Durante o seu discurso, o vice-presidente se emocionou e foi às lágrimas.

“Ao receber o título, tenho um orgulho, uma satisfação enorme para mim. Podem ter certeza da emoção que sinto hoje, o filme que eu vejo, me perdoe a emoção. O meu chefe imediato era o pai do general Freire Gomes. Eu preferi falar para todos aqui com o coração em vez de trazer um discurso formal. Eu mais uma vez agradeço essa homenagem, a minha filha gostaria de ter vindo. Queria desejar a todos os integrantes dessa Casa que o grande arquiteto do exército ilumine todos que fazem em prol da população do Recife. Eu desejo saúde, força e união”, afirmou Mourão.

LEIA TAMBÉM
» Mourão revelou conhecimento do Nordeste, diz Armando Monteiro
» ‘Fui vice e não existe o verbo vice-governar’, diz Gustavo Krause sobre Mourão
» Estudo do Senado aponta reforma como solução para previdências estaduais
» Relator nega que haja acordo para retirar estados e municípios da reforma
» Daniel Coelho apresenta emenda para que Estados assumam reforma da Previdência

O vice-presidente elogiou a apresentação da Orquestra Criança Cidadã durante a solenidade – que também o fez chorar – e, quebrando o protocolo, tirou fotos com os meninos que integram o grupo. Representando a orquestra, o desembargador do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) João José Targino presenteou Mourão com uma batuta confeccionada com pau-brasil.

Em seu discurso, o general recordou como chegou a servir no Recife.

“Enquanto vimos essa bela apresentação da orquestra passava um filme na minha cabeça. Eu lembrando de como começou tudo aqui no Recife. Em agosto de 82, eu recebi a minha movimentação lá de Bajé, interior do Rio Grande do Sul, para o recife. Naquela época, a gente recebia essas informações por meio de um radiograma. O Recife eu conhecia só das historias do meu pai que aqui servia no Forte das Cinco Pontas”, disse.

“Atravessamos o Brasil de Bajé ao Recife. Naquele tempo em que as comunicações não eram via celular, muito menos internet. Eu era um jovem capitão, 29 anos. Cheguei aqui em setembro e descobri uma cidade maravilhosa, gente amiga que se tornou como irmãos e irmãs para nos. Naquele momento os pais da minha esposa já tinham falecido. Não moramos no Recife, mas em Candeias. Mas nós nos apaixonamos por ela, pelas belezas naturais e quis o destino que nossa filha nascesse aqui no dia 23 de julho de 83 nasceu Renata no Hospital Português”, completou o homenageado.

Em mais uma quebra de protocolo, o presidente da Câmara do Recife, vereador Eduardo Marques (PSB), permitiu que Marco Aurélio pudesse discursar. “Vossa excelência tem cumprido a missão de ser vice importante, presente, que tem ajudado o presidente Bolsonaro.  Vai ajudar o presidente Bolsonaro a cumprir as reformas. Não tenho nenhuma dúvida que o senhor estará ao lado do presidente Bolsonaro cumprindo sua missão institucional, que é o que vem fazendo”, afirmou o autor da proposta de homenagem.

Mourão posa ao lado dos deputados estaduais Marco Aurélio (PRTB) e Antônio Coelho (DEM) (Foto: Divulgação)

“Tive a esperança de que ele dissesse que era alvirrubro e ele não é, mas deixa pra lá, não da pra ser perfeito”, brincou o deputado, que elogiou a inteligência do general.

“Ninguém consegue chegar a general filando. Tem que estudar muito. Por isso não entrei no Exército porque sabia que ia ter que estudar muito”, brincou. “A maior virtude do general não são os estudos e a inteligência, é a lealdade ao Brasil e ao presidente Bolsonaro”, emendou.

O líder da oposição na Alepe criticou o esquema de segurança que restringiu a quantidade de convidados para cada vereador para uma pessoa. O parlamentar chamou os agentes da Polícia Federal que fazem a segurança de Mourão de “esse povo de cara feia”. Segundo Marco Aurélio, a Câmara não está acostumada com esse tipo de evento, mas que espera que a Casa convide Bolsonaro, que tem uma proposta de homenagem que ainda não foi à votação no plenário.


FECHAR