publicidade
01/06/19
André de Paula (Foto: Gustavo Lima/Câmara dos Deputados)
André de Paula (Foto: Gustavo Lima/Câmara dos Deputados)

Se Guedes renunciar, o governo Bolsonaro acaba, diz líder do PSD

01 / jun
Publicado por Douglas Fernandes em Notícias às 11:11

Líder do PSD na Câmara dos Deputados, o deputado federal André de Paula (PE) é taxativo quando comenta uma eventual renúncia do ministro da Economia, Paulo Guedes, deixada no ar pelo próprio economista, em entrevista à Veja, no caso de não aprovação da reforma da Previdência. Para o parlamentar, a saída de Guedes poderá decretar o fim do governo Jair Bolsonaro (PSL).

“Se o ministro Paulo Guedes sair do governo, ele (o governo) acaba e acho que o ministro não vai ficar no Ministério da Economia se não sentir que o governo de fato está empenhando, envolvido, se articulando politicamente”, disse em entrevista ao radialista Alberes Xavier da Rede Agreste de Rádios.

LEIA TAMBÉM
» Guedes diz que pode renunciar em caso de não aprovação da reforma
» ‘Ele está no direito dele’, diz Bolsonaro sobre Guedes falar em renúncia
» Daniel Coelho apresenta emenda para que Estados assumam reforma da Previdência
» Paulo Câmara diz que conversa sobre reforma se Bolsonaro retirar pontos
» Governadores do Nordeste cobram de Bolsonaro pautas além da Previdência
» Bolsonaro cobra dos governadores do Nordeste apoio à reforma da Previdência

Na avaliação de André de Paula, caso a reforma passe no Congresso, isso seda dará “apesar dos erros” do presidente Bolsonaro na articulação política. “Se vai passar ou não, vai depender muito das discussões que vão acontecer a partir de agora. Tenho dito que se a proposta passar, e eu torço que passe e vou votar para que passe, vai passar apesar de Bolsonaro, dos erros e do pouco apreço que Bolsonaro tem pelo Legislativo”, criticou.

“O que está em jogo na Reforma da Previdência, sem dúvidas, é que tipo de qualidade de vida, de serviço público, nós vamos ter nos próximos três anos”, disse 

O deputado pernambucano projetou que a proposta deve ser votada em agosto. O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), contudo, vem reafirmando a intenção de colocar a reforma para votação antes do final do primeiro semestre.


FECHAR