publicidade
27/05/19
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem

‘A gente tem que ouvir as ruas’, diz Paulo Câmara sobre atos pró-Bolsonaro

27 / maio
Publicado por Douglas Fernandes em Notícias às 12:12

Presente em evento, na manhã desta segunda-feira (27), de homenagem ao padre Antônio Henrique Pereira Neto assassinado durante a ditadura militar, o governador Paulo Câmara (PSB) comentou sobre os atos em apoio ao governo Jair Bolsonaro (PSL). No Recife, manifestantes percorreram a Avenida Boa Viagem, da padaria do bairro até o Segundo Jardim, e houve gritos de “Fora Paulo Câmara”. 

A jornalistas que o acompanharam na agenda, o socialista disse que as “manifestações fazem parte da democracia” e que é bom ouvi-los e “tirar exemplos” deles. 

“Manifestações fazem parte da democracia. Então, a gente tem que sempre avaliar dessa forma. Esse tipo de manifestação é bom ouvir, é bom tirar os exemplos e seguir em frente buscando olhar o Brasil que a gente quer”, disse o vice-presidente nacional do PSB.

LEIA TAMBÉM
» Bolsonaro pede ‘abraço hétero’ a Paulo Câmara
» Presidente da Embratur de Bolsonaro participou de manifestação em Boa Viagem
» Paulo Câmara participa de homenagem a Padre Henrique, nesta segunda
» Paulo Câmara assina carta contra decreto de armas de Bolsonaro

Segundo cálculo dos organizadores do ato pró-Bolsonaro em Recife, cerca 100 mil pessoas foram às ruas nesse domingo (25). A Polícia Militar não divulgou estimativa de público. Para o governador, é preciso “ouvir as ruas” seja qual for a manifestação.

Paulo Câmara, contudo, ressaltou que “muito do que se está passando no Brasil a gente não concorda” e citou os protestos contra o bloqueio orçamentário das universidades federais feito pelo Ministério da Educação.

“Evidentemente, muito do que se está passando no Brasil a gente não concorda. Então, a gente tem que ouvir as ruas também, seja as manifestações como que já ocorreram dentro dos cortes das universidades, dentro do que a educação representa para o futuro, como as de ontem (domingo) também que tiveram críticas às classes políticas, ao Congresso e outras ações”, afirmou o governador.


FECHAR