publicidade
24/05/19
Governador de Alagoas, Renan Filho (MDB) (Foto: José Cruz/Agência Brasil)
Governador de Alagoas, Renan Filho (MDB) (Foto: José Cruz/Agência Brasil)

Governo Bolsonaro ‘não tem acertado muito até agora’, diz Renan Filho

Notícia

24 / maio
Publicado por Douglas Fernandes em Notícias às 11:14

Presente na reunião do presidente Jair Bolsonaro (PSL) nesta sexta-feira (24), no Recife, com os governadores do Nordeste, o governador de Alagoas, Renan Filho (MDB), foi mais um gestor a expor ceticismo quando ao plano que será anunciado pelo presidente para a região. Segundo o filho do senador Renan Calheiros (MDB-AL), o que atende a expectativa dos Estados é uma “agenda para novos investimentos”, e de forma “secundária”, a reforma da Previdência. O emedebista se diz a favor de reformar o sistema previdenciário, mas ressaltou ser contrário a pontos da proposta do governo como o a da aposentadoria rural e dos professores.

“A gente não sabe direito qual o anúncio vamos ver. O que atende expectativa dos governadores é agenda para novos investimentos, e secundária a reforma da Previdência. O Brasil não pode parar esperando ter a reforma. Todos somos a favor da reforma, não somos a favor da retirada dos direitos dos mais pobres. Que eleve idade mínima e combata privilégios. O que não pode é ter agenda única samba de uma nota só. Investimento é importante, mas não só isso”, afirmou o governador de Alagoas.

“Ninguém trocará ajuda à reforma se ela tirar direito dos mais pobres, tratar de forma brutal trabalhador rural, professores”, emendou.

LEIA TAMBÉM
» Na véspera da visita, Petrolina desiste de votar homenagem a Bolsonaro
» Bolsonaro dá ‘passo importante’ ao visitar a Sudene, diz FBC
» Deputados de Pernambuco saem ‘frustrados’ de reunião com Bolsonaro
» ‘Se ficarmos numa queda de braço (com Bolsonaro) só quem perde é o nosso povo’, diz Jarbas, após encontro
» ‘Aqui em Petrolina, Bolsonaro poderá ver o Sertão que dá certo e se desenvolve’, diz Miguel Coelho
» Humberto diz que Bolsonaro não é bem-vindo no Nordeste
» Paulo Câmara assina carta contra decreto de armas de Bolsonaro

Renan Filho disse ser necessário “diversificar” a agenda nacional para fazer o país retomar o crescimento e que aproxime o Congresso Nacional, citando a reforma Tributária, que foi aprovada na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), impondo uma derrota para o governo Bolsonaro, que já havia anunciado a intenção de apresentar sua proposta após a aprovação da Previdência.

O emedebista ainda criticou os cinco meses de gestão de Bolsonaro.

“Eu sou governador e tenho que trabalhar, institucionalmente, para que o governo dê certo e ele não tem acertado muito até agora, mas vamos torcer para que ele acerte porque quando o governo erra muito todos pagam”, afirmou o governador.

Reunião da Sudene

Em sua primeira visita ao Nordeste, Bolsonaro participa da reunião do Conselho Deliberativo da Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene), que se encontra para discutir a proposição do Plano Regional de Desenvolvimento do Nordeste (PRDNE) e de um projeto de lei para instituí-lo. Entre outros pontos, segundo a Sudene, o plano aborda alternativas de financiamento na região, incentivando concessões privadas, incluindo Parcerias Público-Privadas, as PPPs.

 

O projeto fala também em uso combinado das fontes de recursos e em maior acesso aos fundos regionais por empresas sem disponibilidade de garantia real.

O conselho da Sudene ainda discute o regimento de funcionamento do Comitê Técnico de Acompanhamento do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE). O presidente do PSL, deputado Luciano Bivar (PE), afirmou que Bolsonaro deve anunciar R$ 2,1 bilhões para o fundo.

Após a reunião, o presidente da Sudene, Mário Gordilho, será entrevistado no Resenha Política. O programa vai ao ar às 16h20, na TVJC (youtube.com/tvjcpe) e nas redes sociais do Sistema Jornal do Commercio de Comunicação.

Desempenho no Nordeste

Na eleição do ano passado, Bolsonaro foi derrotado por Fernando Haddad (PT) em todos os estados do Nordeste, o que não se repetiu nas outras regiões do País. Neles, os governadores eleitos também eram do PT ou aliados do partido no período eleitoral.

Planos para o Nordeste são uma cobrança da bancada nordestina desde a posse de Bolsonaro, em janeiro.

Dois dias antes de vir ao Nordeste pela primeira vez, Bolsonaro teve uma reunião com parte da bancada da região. Com algumas exceções, oposicionistas do PT, do PDT e do PSB não foram ao encontro. Parte dos parlamentares que foram deixou o Palácio do Planalto falando em “frustração” e afirmando que nada foi apresentado de concreto para a região.


FECHAR