publicidade
23/05/19
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem

‘A política de integração continua’, diz Moro sobre transferência do Coaf

7

23 / maio
Publicado por Douglas Fernandes em Notícias às 9:23

Com informações do repórter do Jornal do Commercio Felipe Vieira

Em agenda nesta quinta-feira (23), no Recife, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, disse que apesar da aprovação da transferência do Conselho de Controle de Atividades Financeira (Coaf) para o Ministério da Economia, o órgão continuará trabalhando em uma “política integrada” com a sua pasta.

“Agora é importante destacar que embora Coaf retorne para Economia, ele vai continuar fazendo o trabalho que ele sempre realizou que é o trabalho de inteligência e prevenção à lavagem de dinheiro. E que é extremamente relevante para fins de prevenção e combate ao crime organizado, identificação de patrimônio de criminosos. Então, a política de integração continua ainda que ele fique em outra pasta”, afirmou Moro na saída de uma reunião para conhecer o Pacto pela Vida acompanhado do governador Paulo Câmara (PSB).

LEIA TAMBÉM
» Saiba como os deputados pernambucanos votaram sobre o Coaf
» Vou fazer sugestões a Bolsonaro, diz Moro sobre sucessão na PGR
» ‘E se, quando sair Moro, for Flávio Bolsonaro?’, questiona Coutinho sobre Coaf
» Comissão mista tira Coaf de Moro e manda órgão de volta para Economia

Aprovada por por 228 votos a 210, e quatro abstenções na Câmara dos Deputados, a mudança não agradou o ex-juiz da Lava Jato, mas ele disse que “faz parte” e que respeita a decisão dos parlamentares. Na noite dessa quarta-feira (22), o ministro agradeceu aos 210 votos pela permanência do Coaf sob sua alçada.

“Faz parte. Embora não tenha gostado evidentemente da decisão, nós respeitamos a decisão do parlamento”, disse.

Questionado sobre se o presidente Jair Bolsonaro (PSL) poderia vetar a MP, o ministro disse que não seria “viável”, mas que a questão não foi tratada dentro do governo. “Me parece que nesse ponto não seria viável um veto porque a medida provisória modifica a legislação atual”, explicou, acrescentando que um veto faria retornar a configuração de 29 ministérios do governo Michel Temer (MDB).


FECHAR