publicidade
21/05/19
Foto: Felipe Ribeiro / JC Imagem
Foto: Felipe Ribeiro / JC Imagem

MBL Recife reclama de ataques por não participar de ato pró-Bolsonaro

21 / maio
Publicado por Douglas Fernandes em Notícias às 9:39

Após anunciar que não participará das manifestações em apoio ao governo Jair Bolsonaro (PSL) no domingo (26), o Movimento Brasil Livre (MBL) vem recebendo ataques da rede bolsonarista. Segundo a Folha de São Paulo, o próprio Bolsonaro está considerando ir a um dos atos que estão sendo convocados. Em Pernambuco, o MBL Recife distribuiu uma circular interna com o posicionamento de não integrar as manifestações. Segundo a coordenadora do movimento na capital pernambucana, Tatielly Salustiano, trechos do texto foram vazados por uma “pseudomilitante”.

Em carta aberta, Tatielly Salustiano diz que há uma “onda massiva de ataques promovidos pelos setores mais radicais da recente direita brasileira” e faz duras críticas à bancada do PSL no Congresso, a qual chama de “cômica e vergonhosa”. Na avaliação dela, os grupos que atacam o MBL e outros movimento da direita democrática “por puro fanatismo elegeram desde corruptos notórios até atores pornôs”.

LEIA TAMBÉM
» MBL adota postura equilibrada e se recusa a tentar solapar Congresso e STF

“A reação antidemocrática, antiliberal e criminosa de pulhas defensores do autoritarismo apenas reforça nossas crenças liberais e nossas razões para não participarmos da manifestação intervencionista do próximo domingo (26)”, afirma.

Para Tatielly, a difícil relação de Bolsonaro com o Congresso tem como origem a bancada do partido do presidente. De acordo com ativista do MBL, a bancada é “formada pelos lacradores da direita, por militares à moda sindical e por aproveitadores de toda ordem”. Ela critica o deputado federal Alexandre Frota (PSL-SP) e o ministro da Educação, Abraham Weintraub.

Coordenadora do MBL Recife, Tatielly Salustiano (Foto: Divulgação)

“Não há compromisso do PSL e, até mesmo, de parte do governo e de seus aliados mais radicais em aprovar as reformas urgentes de que necessita o Brasil. Na verdade, de Alexandre Frota a Vélez e Weitraub, o compromisso deles é em desmontar o Brasil. Por sorte, ainda há quem, por coerência ideológica e fidelidade ao futuro do Brasil, defenda a Reforma da Previdência e a PL anticrime do Ministro Moro”, diz a carta.

Tatielly também faz críticas a Bolsonaro por não compreender “o valor e a responsabilidade da função que exerce”. “Queremos, ao contrário dos intervencionistas no cio, que o Presidente tome, finalmente, posse da presidência”, diz ela. A coordenadora do MBL Recife também reclamou de ataques pessoais.

“Passei a ser atacada por esses grupos extremistas e acéfalos que causam diariamente as crises que afundam e inviabilizam o governo Bolsonaro. Entre os grupos que orquestraram os ataques, assédios e ameaças a mim e a outros militantes do MBL, estão o “MPL” – movimento popular liberal – e o Direita Pernambuco”, disse.

Confira a íntegra da carta 

Muitos devem estar acompanhando a onda massiva de ataques promovidos pelos setores mais radicais da recente direita brasileira a movimentos de direita democrática, especialmente ao MBL.

Enquanto coordenadora municipal, fui posta no meio dessa crise, pois, um pseudomilitante covarde vazou trechos de uma circular do MBL Recife, em que expressávamos aos nossos associados a posição institucional diante da manifestação do dia 26.

A partir disso, passei a ser atacada por esses grupos extremistas e acéfalos que causam diariamente as crises que afundam e inviabilizam o governo Bolsonaro. Entre os grupos que orquestraram os ataques, assédios e ameaças a mim e a outros militantes do MBL, estão o “MPL” – movimento popular liberal – e o Direita Pernambuco. É público que seus militantes e apoiadores por meio do Twitter, Instagram e Whatsapp, com contas pessoais e fakes, defendem a agressão aos membros do MBL e a entusiasmada adesão à nocente interpretação do que reza o art. 142 da CF/88.

A reação antidemocrática, antiliberal e criminosa de pulhas defensores do autoritarismo apenas reforça nossas crenças liberais e nossas razões para não participarmos da manifestação intervencionista do próximo domingo (26).

Os grupos que hoje atacam o MBL a nível nacional e estadual são os mesmos que elegeram a cômica e vergonhosa bancada do PSL. Por puro fanatismo, elegeram desde corruptos notórios até atores pornôs.

A frágil relação do Presidente da República com a Câmara dos Deputados nasce na própria bancada do PSL, formada pelos lacradores da direita, por militares à moda sindical e por aproveitadores de toda ordem. Não há compromisso do PSL e, até mesmo, de parte do governo e de seus aliados mais radicais em aprovar as reformas urgentes de que necessita o Brasil. Na verdade, de Alexandre Frota a Vélez e Weitraub, o compromisso deles é em desmontar o Brasil. Por sorte, ainda há quem, por coerência ideológica e fidelidade ao futuro do Brasil, defenda a Reforma da Previdência e a PL anticrime do Ministro Moro.

Quem são os deputados compromissados com o país e o povo? A maioria deles são do Novo ou do MBL, contando ainda com alguns parlamentares do DEM, Cidadania e outras agremiações. Nem eu e nem o MBL queremos mal ao Presidente Bolsonaro. É de conhecimento de todos que nossas lideranças nacionais, Kim P. Kataguiri, Arthur do Val, Renan Santos, Fernando Holiday e outros se dedicaram com afinco à defesa do voto útil a Bolsonaro no 2° turno, sem que solicitassem nada em troca. Queremos, ao contrário dos intervencionistas no cio, que o Presidente tome, finalmente, posse da presidência.

Somente quando Bolsonaro compreender o valor e a responsabilidade da função que exerce é que poderemos alcançar estabilidade. O próprio Ministro da Economia Paulo Guedes compreende isso e está engajado na articulação política dentro do Congresso Nacional.

Falta que, assim como Paulo Guedes, os movimentos supracitados entendam a necessidade de colocar o governo para frente, como prometido em campanha, para que não se perca a governabilidade, os valores intrínsecos à democracia e, por conseguinte, tenhamos crescimento econômico.

Tatielly Salustiano, coordenadora MBL Recife.


FECHAR