publicidade
20/05/19
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Reforma tributária será apresentada após Previdência

20 / maio
Publicado por Amanda Miranda em Notícias às 13:55

Agência Brasil – O presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou nesta segunda-feira (20) que pretende apresentar um projeto de reforma tributária para o país após a aprovação da reforma da Previdência. Em publicação na sua conta no Twitter, Bolsonaro explicou que a reforma é necessária para viabilizar outros projetos para o país.

LEIA TAMBÉM
» ‘Não vamos entrar nessa aventura’, diz Ramos sobre capitalização
» Marcelo Ramos vê ausência de ‘espírito democrático’ de Bolsonaro
» Marinho defende inclusão de estados na reforma, mas pressiona governadores
» FHC defende que reforma não ‘tire dos mais pobres’ e gera reações

“A Nova Previdência é a porta de entrada para o progresso do Brasil. É com sua aprovação que se viabilizam diversas outras ações econômicas benéficas para o país, como a Reforma Tributária, que pretendemos apresentar logo após, compreendendo ser um desejo urgente dos brasileiros”, escreveu.

A Câmara dos Deputados retoma nesta semana as audiências temáticas da comissão especial que analisa a Proposta de Emenda à Constituição da Reforma da Previdência. Entre os temas estão o Benefício de Prestação Continuada (BPC) e a aposentadoria do trabalhador rural e de categorias diferenciadas como professores, policiais e magistrados.

» Reforma de professores e PMs deve ficar com os estados, diz Silvio Filho
» Rural, BPC e professores estão praticamente fora da reforma, diz Marcelo Ramos
» Bolsonaro faz apelo pela aprovação da Previdência sem muitas alterações
» Para 59% dos brasileiros, reforma da Previdência é necessária, diz Ibope

Paralelamente, os deputados também analisarão o texto da reforma tributária já em tramitação. Na quarta-feira (22), a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara deve votar o relatório sobre a admissibilidade da PEC.

O relator, deputado João Roma (PRB-BA), apresentou parecer favorável à tramitação do texto, na semana passada.

A proposta institui o Imposto sobre Operações com Bens e Serviços (IBS) que substitui três tributos federais – IPI, PIS e Cofins -, o ICMS, que é estadual, e o ISS, municipal. Todos eles incidem sobre o consumo. O IBS será composto por três alíquotas – federal, estadual e municipal; e União, estados e municípios poderão fixar diferentes valores para a alíquota do imposto.


FECHAR