publicidade
20/05/19
Marcelo Ramos é o presidente da comissão (Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados)
Marcelo Ramos é o presidente da comissão (Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados)

‘Não vamos entrar nessa aventura’, diz Ramos sobre capitalização

20 / maio
Publicado por Amanda Miranda em Notícias às 10:58

O presidente da comissão especial da reforma da Previdência, Marcelo Ramos (PR-AM), afirmou, em entrevista nesta segunda-feira (20) à Rádio Jornal, que o colegiado não deve aprovar a proposta de instituir um regime de capitalização apresentada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. 

“Há uma questão social: como vai pedir que um trabalhador que recebe um salário mínimo faça uma poupança? Isso não é sustentável. Vai ter que deixar de comer e vai morrer antes do tempo de se aposentar”, disse Ramos.

LEIA TAMBÉM
» Marcelo Ramos vê ausência de ‘espírito democrático’ de Bolsonaro
» Marinho defende inclusão de estados na reforma, mas pressiona governadores
» FHC defende que reforma não ‘tire dos mais pobres’ e gera reações
» Reforma de professores e PMs deve ficar com os estados, diz Silvio Filho
» Rural, BPC e professores estão praticamente fora da reforma, diz Marcelo Ramos
» Bolsonaro faz apelo pela aprovação da Previdência sem muitas alterações
» Para 59% dos brasileiros, reforma da Previdência é necessária, diz Ibope

“Não há informações sobre quem vai pagar o estoque de aposentados nem quanto é essa conta e nós não vamos dar um cheque em branco para o governo. Essa conta pode ser maior do que o R$ 1 trilhão da economia e nós não vamos entrar nessa aventura”.

Para a capitalização, Ramos defendeu a sugestão de Mauro Benevides Filho (PDT-CE). Deve haver, segundo o presidente da comissão especial, um “colchão de repartição”. “Com renda mínima para todos e a partir daí a capitalização individual e opcional para quem quer receber um pouco mais”, explicou o deputado.

A proposta do governo é de criar o regime de capitalização para quem estiver ingressando no mercado de trabalho. Com ele, a contribuição seria individual e sem participação patronal, formando uma espécie de poupança para a aposentadoria.

 


FECHAR