publicidade
13/05/19
Maria do Carmo Alves, autora do projeto (Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado)
Maria do Carmo Alves, autora do projeto (Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado)

Comissão do Senado vai votar demissão de concursados por mau desempenho

13 / maio
Publicado por Amanda Miranda em Notícias às 13:56

A Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado deve votar nesta quarta-feira (15) um projeto de lei que prevê a possibilidade de demissão de servidores públicos estáveis, que são aqueles admitidos por concurso, por mau desempenho. O relatório da senadora Juíza Selma (PSL-MT) no colegiado recomendou a aprovação.

As avaliações devem ser feitas por ano, de acordo com o substitutivo de Lasier Martins (PSD-RS), aprovado na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) em outubro de 2017.

A única mudança proposta por Juíza Selma foi com uma emenda para definir o primeiro período avaliativo, em 1º de maio do segundo ano após a lei entrar em vigor. Para começar a valer, o projeto ainda precisa passar por duas comissões no Senado, pelo plenário da Casa e pela Câmara.

LEIA TAMBÉM
» CCJ do Senado aprova demissão de concursados por mau desempenho
» Senadora que propôs demissão de servidores não votou em quase 60% das sessões
» ‘Não é perseguição’, defende relator de projeto para exonerar concursados
» Auditores dizem que é inconstitucional projeto que prevê demissão de concursados por desempenho
» Servidores com mau desempenho não merecem dinheiro do contribuinte, diz relator
» Projeto prevê que concursados percam cargo se não tiverem bom desempenho

O parecer de Martins modificou o texto inicial, de Maria do Carmo Alves (DEM-SE), principalmente no formato de avaliação dos servidores. A parlamentar havia proposto que as avaliações fossem feitas pelo chefe imediato, mas o senador considerou que muitas vezes a vaga é ocupada por um funcionário comissionado e que isso poderia levar a um risco de a decisão ser determinada por “por simpatias ou antipatias no ambiente de trabalho”.

Lasier Martins (Foto: Pedro França/Agência Senado)

O senador propôs, então, avaliações anuais por uma comissão formada pelo chefe imediato do servidor, por um colega do mesmo nível hierárquico escolhido por sorteio e por um funcionário da área de recursos humanos.

As notas serão de 1 a 10 e quem obtiver de 1 a 3 em dois anos consecutivos, caso o projeto vire lei, terá o processo de exoneração aberto. Os que mantiverem notas abaixo de 5 por cinco anos também.

Veja o vídeo da TV Senado em que Lasier Martins explica o projeto:

» Geraldo Julio quer abrir concurso para veterinários no Recife
» Projeto reserva 20% das vagas em concursos para alunos de escolas públicas
» Bolsonaro confirma convocação de mil policiais federais aprovados em concurso
» Bolsonaro endurece regras para abertura de novos concursos públicos
» Prefeitura de Abreu e Lima deve fazer concurso em 2019
» Governo vai restringir concursos públicos e cortar 21 mil cargos

Em uma enquete no site do Senado, a maioria votou, até esta segunda-feira (13), pela rejeição do projeto. Foram 149.892 votos ‘não’ e 43.647 favoráveis.

A proposta, na prática, acaba com o a estabilidade em todos os poderes, nos níveis federal, estadual e municipal. Para que seja concluído o processo de exoneração, a Constituição Federal prevê que seja respeitada a ampla defesa.

Leia o relatório

*Com informações da Agência Senado


FECHAR