publicidade
12/05/19
Foto: Ricardo Stuckert/Divulgação
Foto: Ricardo Stuckert/Divulgação

Lula: ‘Bolsonaro corre atrás dos filhos para apagar um incêndio a cada dia’

12 / maio
Publicado por Douglas Fernandes em Notícias às 13:56

AFP – O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, detido desde abril de 2018 por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, disse que Jair Bolsonaro é um “doente” que pretende resolver os problemas do Brasil através das armas, em entrevista concedida nesta sexta-feira (10) à rede BBC.

“Ele é um doente que acha que o problema do Brasil se resolve com arma. O problema de Brasil se resolve com livro, com escola”, declarou Lula na sede da Polícia Federal, em Curitiba.

A crítica ocorre ao final de uma semana na qual Bolsonaro firmou um decreto concedendo o porte de armas a diversas categorias, como caminhoneiros, advogados, deputados, vereadores e até certos jornalistas.

Exaltado, o ex-presidente declarou que “pelo bem do Brasil” espera que Bolsonaro aprenda a guiar o país. “Em vez de ficar falando bobagens, ele deveria falar que vai terminar o mandato melhor do que o Lula”.

LEIA TAMBÉM
» STJ diz que não há previsão para decidir se Lula vai para o regime aberto
» Defesa de Lula pede progressão para o regime aberto
» Grupo de juristas afirma que Lula já tem direito ao semiaberto
» Gleisi diz que Lula não quer pedir progressão para semiaberto
» Entrevistado na prisão, Lula diz que País é governado por ‘bando de maluco’
» Juiz manda Bancoop e OAS restituírem a Lula valor de imóvel que fica no Guarujá
» Marco Aurélio diz ter ‘dúvida’ sobre crimes de Lula no caso triplex
» Líder do PT diz que redução da pena de Lula mostra ‘abusos’ de Moro e TRF-4
» Por unanimidade, STJ decide reduzir pena de Lula

“Ele corre atrás dos filhos para apagar um incêndio a cada dia, não sei como funciona a família, mas o que se apresenta publicamente é um negócio incontrolável”, disse o ex-presidente.

Lula, 73 anos, fez uma autocrítica ao admitir que “as vezes lamento não ter sido mais incisivo com a Dilma para fazer algumas coisas”.

“Uma pessoa cheia de confiança como a Dilma, na hora que o carro começa derrapar nem sempre tem a tranquilidade de parar e falar: peraí, vamos parar, vamos ouvir, vamos conversar”.

Sobre a Copa do Mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos Rio-2016, o presidente opinou que “foi uma oportunidade mal aproveitada”, porque “o Brasil já estava tomado pelo ódio”.


FECHAR