publicidade
25/04/19
Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados
Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

Presidente da comissão especial prevê reforma aprovada no 1º semestre

25 / abr
Publicado por Amanda Miranda em Notícias às 15:59

Estadão Conteúdo – O presidente da comissão especial da reforma da Previdência, Marcelo Ramos (PR-AM), afirmou que, embora não tenha simpatia pelo governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL), vai trabalhar para que a proposta seja aprovada pelo colegiado ainda no primeiro semestre.

“A minha antipatia pelo governo é menor do que a minha responsabilidade com a reforma. Não vou deixar milhões de brasileiros em necessidade. Todos sabem que eu não tenho simpatia por esse governo. Basta ver meu posicionamento”, disse.

LEIA TAMBÉM
» Diretório nacional do PSB fecha questão contra reforma da Previdência
» Relator da reforma da Previdência fica com o PSDB
» Equipe econômica diz que Pernambuco vai economizar R$ 12 bilhões em dez anos, com reforma da Previdência
» Câmara cria comissão especial para discutir reforma da Previdência
» Após dez horas de sessão, CCJ dá aval à discussão do projeto da reforma da Previdência
» Se dependesse dos pernambucanos na CCJ, reforma não avançaria
» Danilo Cabral entra com ação no STF para ‘obrigar’ Guedes a mostrar dados da Previdência

O presidente afirmou que as mudanças no texto original enviado pelo governo são inevitáveis porque parte dos partidos já decidiu pela retirada dos pontos que tratam da aposentadoria rural, do benefício pago a idosos miseráveis (BPC) e a aposentadoria de professores. Ele ressaltou, no entanto, que é importante que a reforma desidrate “o mínimo possível”.

De acordo com Ramos, as emendas dos parlamentares só poderão ser apresentadas a partir de 7 de maio e que o cronograma a ser proposto será pela votação da proposta ainda no primeiro semestre.

O deputado afirmou ainda não saber quando as audiências públicas poderão ser realizadas no colegiado, mas disse considerar a presença do ministro da Economia, Paulo Guedes, essencial. “É mais importante que ele venha aqui do que na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) porque vamos discutir o mérito e precisamos ter informações”, afirmou.

Saiba o que pensam os pernambucanos sobre a reforma da Previdência


FECHAR