publicidade
29/03/19
Foto: Filipe Jordão/JC Imagem
Foto: Filipe Jordão/JC Imagem

Daniel Coelho diz que ministro da Educação é ‘incompetente’

29 / mar
Publicado por Amanda Miranda em Notícias às 19:23

O líder do Cidadania (novo nome do PPS) na Câmara, deputado federal Daniel Coelho (PE), criticou o ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, nesta sexta-feira (29), em entrevista ao programa Resenha Política, da TVJC. “O ministro é incompetente, ele não tem capacidade”, disse. “O ministro da educação é incapaz”.

Para Daniel Coelho, “há incapacidade administrativa”. “A ministra Damares (Alves, da pasta de Direitos Humanos) é extremamente polêmica, mas a gente tem os relatos de quem milita na área de que ela tem capacidade administrativa, consegue fazer as coisas acontecerem”, comparou o deputado.

O ministro enfrenta uma crise há mais de um mês marcada por disputas internas, mais de 15 exonerações, medidas polêmicas e recuos.

Desgastado, Vélez tenta se manter no cargo, mas é intensa a movimentação para que um substituto seja encontrado. Enquanto avalia a situação, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) decidiu assumir a condução para o desfecho da crise do MEC. O ministro foi desautorizado a fazer nomeações da sua própria equipe.

Assista à entrevista com Daniel Coelho no Resenha Política

Articulação para a reforma da Previdência

O parlamentar ainda criticou a abordagem de Bolsonaro sobre a crise com o Legislativo essa semana, que envolveu uma troca de farpas com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). “Perdeu-se uma semana discutindo farpa de Maia e Bolsonaro e não se discutiu o conteúdo da reforma”, afirmou.

Daniel Coelho enfatizou que a base é formada apenas pelo PSL, partido de Bolsonaro, e que há uma dificuldade de articulação. “Espero que se acertem, porque quem ganha a eleição tem obrigação de guiar os rumos”.

‘Caça-Pokémon’

Daniel Coelho ainda criticou o que ironizou chamando de “bancada dos caça-Pokémon”. “Não faz nada, não participa de um debate, não apresenta uma emenda. Um terço do congresso é comentarista das ações, fica ali no celular dele comentando, mas não tem coragem de ir ao microfone”, reclamou. Para ele, a maior parte desse grupo é formada dos “campeões de voto”.

“As redes sociais são importantes? São”, disse. “Mas parece que as coisas ultrapassaram os limites do razoável”.


FECHAR