publicidade
10/01/19
Discurso de Carlos Siqueira no congresso nacional do PSB (Foto: Rodolfo Loepert/Divulgação)
Discurso de Carlos Siqueira no congresso nacional do PSB (Foto: Rodolfo Loepert/Divulgação)

Presidente do PSB diz que adesão do PSL inviabiliza apoio a Rodrigo Maia

10 / jan
Publicado por jamildo em Notícias às 17:16

Em Pernambuco, o governador Paulo Câmara chegou a dizer aos parlamentares da sigla que preferia o nome de Rodrigo Maia, mas oficialmente afirmou, em breve nota, que a bancada do PSB era soberana e iria decidir, nesta quinta-feira, em encontro em Brasilia. Na prática, caso tivesse apostado no nome de Rodrigo Maia, apoiado pelo PSL, seria o primeiro gesto do governador socialista e do PSB em favor das reformas e em favor de Bolsonaro, depois de empossado presidente.

Com informações do UOL

O PSB definiu nesta quinta-feira (10) que a adesão do PSL à candidatura de Rodrigo Maia (DEM-RJ) “inviabiliza completamente” o apoio da legenda à reeleição do presidente da Câmara. O partido tem a sétima maior bancada da Câmara, com 32 deputados.

O PSB deve formar um bloco com PP, MDB, PDT, PC do B e, possivelmente, PT, PTB e PSC. A ideia é apresentar várias candidaturas para forçar que a disputa vá para o segundo turno. Já estão lançados os nomes de JHC (PSB-AL), Arthur Lira (PP-AL), Fábio Ramalho (MDB-MG) e Alceu Moreira (MDB-RS).

“Ficou evidente, pela amplíssima maioria, a preferência dos nossos deputados pela formação de um bloco que se opõe à candidatura do Rodrigo Maia”, disse o presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira.

O partido reuniu 22 de seus 32 nomes na sede do partido durante quase quatro horas. O líder da sigla, Tadeu Alencar (PE), disse que ainda vai ouvir os que estavam ausentes, mas que não há número suficiente para reverter a tendência contra Maia.

O PSB, assim como os demais partidos do possível bloco, vinham conversando com Maia para apoiá-lo, até que, na semana passada, o PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro, declarou que ingressaria na chapa pela reeleição.

“Houve a adesão, que ele [MAIA]aceitou, do PSL, sem que ele tivesse discutido com nenhum de seus apoiadores e isso inviabiliza completamente nosso apoio a ele”, afirmou Siqueira.

“A entrada do PSL trazia uma identidade muito grande da candidatura de Rodrigo com o governo. Desde o começo a gente dizia que era importante para este bloco garantir a independência do Poder, que a gente pudesse exercer plenamente este papel de oposição”, afirmou Tadeu Alencar que, mais cedo, havia se reunido com Maia.

O PSB já havia formado um bloco com PDT e PC do B. As duas legendas serão as primeiras a serem consultadas. O PDT reúne seus quadros nesta sexta-feira (11), no Rio, e o PC do B tem reunião prevista para a terça-feira (15).

Fechada uma posição deste grupo, serão procurados PP, MDB e PT, com quem já há conversas em curso.

Se conseguir aglomerar em torno de si PT (56), PP (37), MDB (34), PSB (32), PDT (28), PTB (10), PC do B (9) e PSC (8), o bloco chegará a um total de 214 deputados.

Com PSL (52), PSD (34), PR (33), PRB (30), DEM (29), PSDB (29), SD (13), PODE (11) e PPS (8), Maia teria 239 votos para sua reeleição, mas seus adversários dizem acreditar que o atual presidente da Casa tem um teto de 200.

Não há nenhuma garantia de voto em bloco nos partidos porque a eleição é secreta, o que permite traições à orientação do comando das siglas.


FECHAR