publicidade
08/01/19
Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Presidente do STJ define normas para auxílio-moradia na Corte

08 / jan
Publicado por Amanda Miranda em Notícias às 7:09

Estadão Conteúdo – O presidente do Superior Tribunal de Justiça, ministro João Otávio Noronha, editou resolução em que define regras para o pagamento do auxílio-moradia no âmbito da Corte. O texto barra o pagamento do benefício para ministros que tiverem imóvel funcional ou próprio no Distrito Federal, onde fica o Tribunal.

O benefício deixou de ser concedido a todos os magistrados de maneira irrestrita após decisão do ministro Luiz Fux, que cassou liminares dadas por ele próprio em 2014, ocasião em que o penduricalho foi estendido a todos os juízes.

Na decisão, tomada em 26 de novembro, Fux determinou que o Conselho Nacional de Justiça e o Conselho Nacional do Ministério Público deliberassem sobre quem deveria receber o auxílio.

LEIA TAMBÉM
» Associações de magistrados querem ampliar auxílio-moradia
» Após restrição do auxílio-moradia, MPPE implanta auxílio-saúde
» Cerca de 1% da magistratura terá auxílio-moradia, aponta levantamento
» CNJ aprova resolução com novas regras do auxílio-moradia de até R$ 4,3 mil
» Associações pedem compensação por fim de auxílio-moradia
» Fux retira auxílio-moradia do Judiciário após Temer sancionar reajuste

Em 18 de dezembro, o CNJ restringiu o alcance do benefício. Com as novas regras, segundo o conselho, cerca de 1% da magistratura terá direito a receber o benefício.

A resolução do presidente do Superior Tribunal de Justiça, ministro Noronha, segue o entendimento do CNJ. Segundo o texto, o magistrado em exercício poderá receber o auxílio desde que “não exista imóvel funcional disponível” para seu uso.

Os ministros também poderão receber desde que o “cônjuge ou companheiro ou qualquer pessoa que resida com eles não ocupe imóvel funcional, nem receba ajuda de custo para moradia ou auxílio-moradia”.

O magistrado ou seu cônjuge ou companheiro, também não podem ser ou ter sido “proprietários, promitentes compradores, cessionários ou promitentes cessionários de imóvel no Distrito Federal, incluída a hipótese de lote edificado sem averbação de construção, nos doze meses que antecederam a sua mudança para a capital”.

O benefício também não será concedido caso, na data da nomeação do magistrado ao STJ, ele tenha imóveis no Distrito Federal.


FECHAR