publicidade
02/01/19
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Justiça de Ipojuca proíbe Casa de Farinha de participar de novas licitações

02 / jan
Publicado por jamildo em Notícias às 15:05

A juíza de Ipojuca Idiara Buenos Aires Cavalcanti assinou despacho, nesta quarta-feira, proibindo a empresa Casa de Farinha de participar de novas licitações públicas, com a administração pública, Estados e municípios, a pedido do Ministério Público do Estado.

O aceite ocorreu em meio a um pedido adicional feito na mesma denúncia apresentada pelo MP, que acusa a empresa de promover práticas ilícitas para vencer certames em vários municípios. A empresa é fornecedora de merenda escolar.

Nas justificativas da decisão, a juíza explica que os órgãos de investigação relataram que os sócios da empresa haviam deixado de usar a razão social nas licitações e agora estariam usando a razão social Plural. Também é relatado que um dos sócios das empresas chamadas para supostamemte dar cobertura nas licitações teria relatado que sentia a vida sob ameaça.

Nesta tarde, a empresa informou que não foi notificada, nem sequer recebeu qualquer comunicado sobre a decisão, de modo que só poderia se posicionar quando for notificada.

LEIA TAMBÉM
» Governo diz que contratou Casa de Farinha por dispensa de licitação para fazer estudo
» Casa de Farinha nega irregularidades e critica exposição pelo MP
» TCE abre auditoria sobre contratos da Casa de Farinha com o governo de Pernambuco
» Casa de Farinha denuncia dívida de R$ 8 mi do governo e ameaça suspender merenda
» TCE alerta Geraldo Julio para substituir Casa de Farinha

Investigação anterior

O Tribunal de Contas do Estado (TCE) abriu uma auditoria nos contratos sem licitação da Casa de Farinha com o Governo de Pernambuco para o fornecimento de alimentação hospitalar ao Hospital dos Servidores do Estado. Desde 2015, a contratação foi por dispensa de licitação.

A Casa de Farinha esteve ainda no foco de investigações nas operações Ratatouille e Castelo de Farinha, que apuraram supostas irregularidades em contratos para a merenda escolar nos municípios do Cabo de Santo Agostinho e de Ipojuca, na Região Metropolitana do Recife. Além disso, foi alvo de um alerta do Tribunal de Contas para que a empresa fosse substituída pela Prefeitura do Recife.


FECHAR