publicidade
01/01/19
Foto: Dayvison Nunes/JC Imagem
Foto: Dayvison Nunes/JC Imagem

Paulo Câmara alfineta Bolsonaro em discurso: ‘amor ao Brasil não é monopólio’

01 / jan
Publicado por Amanda Miranda em Notícias às 16:16

O governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), criticou, sem citar o nome, o presidente Jair Bolsonaro (PSL), em seu discurso de posse na Assembleia Legislativa, nesta terça-feira (1º). “O amor ao Brasil não é monopólio de nenhum brasileiro, seja civil ou militar”, afirmou.

“A forma de expressar este sentimento depende de cada um. Morrer em um campo de batalha é uma forma de amar o Brasil. Ocupar as ruas em defesa da democracia também é”, disse. “Precisamos de paz, porém não a paz do silêncio imposto pela força. Queremos a paz viva, do debate, do contraditório, da liberdade de opinião. A paz da democracia”.

Foto: Sérgio Bernardo/JC Imagem

Vice-presidente nacional do PSB, Paulo Câmara ainda afirmou que vai buscar convergências, mas fazer oposição a Bolsonaro em algumas pautas. O partido dele articulou com o PCdoB, sigla da vice-governadora, Luciana Santos, e com o PDT, de Ciro Gomes, um bloco de oposição ao presidente no Congresso.

“A submissão, em qualquer tempo, de qualquer natureza, por qualquer motivo, é incompatível com o espírito libertário dos pernambucanos. Apoiaremos decisões que beneficiem Pernambuco e o Nordeste, a exemplo das obras complementares da Transposição das águas do Rio São Francisco e da conclusão da Ferrovia Transnordestina. Mas seremos contra, fundados em sólidos argumentos, a iniciativas que comprometam o futuro do estado e da região, como a privatização da Chesf”, afirmou Paulo Câmara no discurso.

O governador ainda defendeu que é “urgente desmontar os palanques” após uma eleição marcada pela radicalização, segundo ele. “Temos que juntar os cacos espalhados à nossa frente, efeito da polarização desmedida. Nós, os pernambucanos e os brasileiros, já provamos ter tal capacidade. Foi assim na oposição à ditadura; na promulgação da Constituição de 1988, há 30 anos; na mobilização pelas eleições diretas; na vitória contra a inflação; no combate à miséria”.


FECHAR