publicidade
06/12/18
Augusto Coutinho (Foto: Lúcio Bernardo Junior/Câmara dos Deputados)
Augusto Coutinho (Foto: Lúcio Bernardo Junior/Câmara dos Deputados)

Gerente do Procon é investigado sob suspeita de beneficiar deputado federal

06 / dez
Publicado por Amanda Miranda em Notícias às 17:13

O Ministério Público de Pernambuco abriu um inquérito civil para investigar o gerente geral do Procon do Estado, Erivaldo Coutinho, suspeito de dar prioridade a processos de interesse do deputado federal Augusto Coutinho (SD-PE) no órgão. O procedimento foi instaurado nessa terça-feira (4), pela 43ª promotora de Justiça de Defesa da Cidadania da Capital, Áurea Rosane Vieira, e publicado no Diário Oficial desta quinta-feira (6).

De acordo com o Ministério Público, foi apresentada uma denúncia anônima na Ouvidoria relatando que Erivaldo Coutinho “confere prioridade na tramitação de processos administrativos de interesse pessoal e do Deputado Federal Augusto Coutinho do Partido Solidariedade, em detrimento de outros que aguardam anos para o devido julgamento”.

Foram solicitados documentos ao Procon para continuar a investigação.

Presidente do Solidariedade em Pernambuco, Erivaldo assumiu o cargo por indicação do partido. 

Em nota, Augusto Coutinho saiu em defesa do aliado, afirmando que ele é um homem íntegro.

“Sem fundamento e sem razão de existir, a denúncia investigada pelo Ministério Público de Pernambuco sobre ações em meu benefício por meio do Procon, na prática, servirá apenas para mostrar como o órgão cumpre devidamente seu papel, ouvindo a população e evitando desmandos no estado, inclusive em relação a falsas alegações. Não tenho qualquer processo movido junto ao órgão e o mesmo vale para minha esposa e meus filhos”, disse ainda o parlamentar.

O deputado ainda enfatizou que não é parente do gerente do Procon. “Seu cargo decorre de indicação de nosso partido o que, por vezes, somado ao sobrenome coincidente, gera inferências irresponsáveis que não contribuem para a sociedade”, afirmou na nota. “Com o mais profundo respeito aos órgãos de fiscalização, me coloco à disposição para esclarecimentos e torço para que, após a esperada conclusão, sejam responsabilizados quaisquer autores da falsa denúncia, uma vez que consome atenção e recursos públicos indevidamente”.


FECHAR