publicidade
05/12/18
Foto: Heudes Regis/JC Imagem
Foto: Heudes Regis/JC Imagem

Petrobras pretende concluir 2º trem da Refinaria Abreu e Lima

05 / dez
Publicado por Amanda Miranda em Notícias às 17:31

A Petrobras espera concluir o segundo trem da Refinaria Abreu e Lima, a Rnest, em Pernambuco, segundo o Plano Estratégico 2040 e Plano de Negócios e Gestão 2019-2023, divulgados nesta quarta-feira (5), pela empresa. Para isso, prevê um investimento de US$ 1,3 bilhão, que também deve ser usado no primeiro trem, para a conclusão da unidade de redução de emissões atmosféricas (SNOX) e a ampliação do processamento, e em projetos para atender mercado de Diesel S-10.

Com a conclusão do segundo trem e da unidade de redução de emissões atmosféricas, a expectativa é de aumentar a capacidade em 160 mil barris de petróleo por dia.

LEIA TAMBÉM
» STF retira delação sobre Refinaria Abreu e Lima de Moro e manda para PE
» Petrobras quer vender parte da Refinaria Abreu e Lima
» Superfaturamento nas tubovias da Refinaria Abreu e Lima ultrapassa R$ 960 milhões, diz TCU
» No Senado, FBC cobra conclusão da refinaria Abreu e Lima
» Petrobras vai retomar obras da Refinaria Abreu e Lima, envolvida na Lava Jato
» Obras da Refinaria Abreu e Lima são retomadas e geram 800 novos postos de trabalho em Suape
» Lula diz a Moro que não participou do plano de construção da Refinaria Abreu e Lima

A Refinaria Abreu e Lima está em operação desde dezembro de 2014, mas bem abaixo da capacidade, e sua construção é investigada pela Operação Lava Jato. Hoje, sem o segundo trem, ficou limita à capacidade máxima do primeiro, que é de 115 mil barris por dia.

A refinaria foi anunciada em 2005, com a promessa de que mudaria – junto à Petroquímica Suape e ao Complexo de Suape – a realidade da região na área sul do Grande Recife. A previsão era de que a construção das unidades – que produziriam, além de óleo diesel, gás de cozinha e coque de asfalto – sairia por US$ 2,4 bilhões, em parceria entre a Petrobras e a estatal de petróleo da Venezuela PDVSA.

Porém, a empresa do país vizinho não enviou recursos e deixou a obra em 2013, quatro anos depois de a Petrobras afirmar que havia um erro nos cálculos e que o custo seria cinco vezes mais alto, US$ 13,4 bilhões. No ano passado, o valor já chegava a US$ 17,8 bilhões.

Relatórios do Tribunal de Contas da União (TCU) já apontavam sobrepreço nos contratos e em 2010 o órgão chegou a recomendar a paralisação da obra quando, em 2014, a Lava Jato expôs o esquema de corrupção na Petrobras e envolveu diretamente a Refinaria Abreu e Lima. Só a Odebrecht, na delação premiada que veio a público em abril, apontou que as obras na Rnest renderam R$ 90 milhões em propina a PP, PT e PSB.


FECHAR