publicidade
05/12/18
Foto: Alepe/Divulgação
Foto: Alepe/Divulgação

Lula Cabral procuraria outros prefeitos para investir em fundo investigado, diz ministra

05 / dez
Publicado por Amanda Miranda em Notícias às 21:44

Ao negar mais um pedido de liberdade ao prefeito do Cabo de Santo Agostinho, Lula Cabral (PSB), a ministra do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Laurita Vaz apontou que haveria indícios de que ele poderia fazer contato com outros gestores para que aplicassem recursos das previdências municipais nos fundos geridos pela Terra Nova, o que o levou à prisão. A decisão de Vaz de manter o socialista preso foi publicada nessa terça-feira (4).

De acordo com as investigações, que correm em segredo de justiça, Lula Cabral teria supostamente ordenado a transferência de mais de R$ 90 milhões do instituto de previdência municipal, o CaboPrev – que antes se encontravam investidos em instituições sólidas – para fundos de investimento que colocavam em em risco o pagamento da aposentadoria dos servidores. Esses fundos eram geridos pela Terra Nova.

LEIA TAMBÉM
» STJ nega mais um habeas corpus a Lula Cabral
» MPF denuncia Lula Cabral por corrupção passiva e lavagem de dinheiro
» Vereador vai à Justiça por comissão para investigar Lula Cabral
» Advogado entra com ação contra licença remunerada de Lula Cabral
» Despacho do STJ revela que PF apreendeu 47 mil euros e 418 mil reais na casa de Lula Cabral
» Preso no Cotel, Lula Cabral consegue licença remunerada por 90 dias
» Prisão de Lula Cabral foi mantida por servidora que ‘revelou estar com medo’

“Também há fortes indícios de que as condutas investigadas não teriam se exaurido com a transferência dos recursos da CABOPREV, uma vez que, conforme já ressaltado, passados cerca de 15 dias da transferência dos R$ 92.920.000,00 para os fundos geridos pela Terra Nova, houve a tentativa de se realizar novo aporte de valores em tais fundos, além da indicação de que o ora agravante faria contato com outros gestores municipais para que procedessem da mesma forma em relação aos RPPS dos respectivos municípios”, afirmou Laurita Vaz na decisão.

“Dessa forma, a segregação preventiva se justifica como garantia da ordem pública e econômica. Nesse aspecto, é mister ressaltar, como bem destacou o Ministério Público, que a ausência de movimentação dos recursos da CABOPREV no último ano não afasta o risco de que transações dessa natureza sejam realizadas”, disse ainda.

Foi anexado o depoimento de um servidor do Caboprev à Polícia Federal, que afirma que foram solicitados dados para serem apresentados a Ipojuca, município vizinho ao Cabo de Santo Agostinho.

No interrogatório, ele diz “QUE outro fato relevante é um episódio presenciado pelo ora interrogando, em que um servidor da procuradoria do município se disse emissário do Dr. MOURA (Procurador do Município de Cabo de Santo Agostinho-PE), e perguntou sobre como poderia acessar O site do CABOPREV na internet para obter documentos sobre os novos valores das aplicações realizadas pelo CABOPREV em fundos da TERRA NOVA para que ele (servidor da procuradoria) pudesse apresentar tais números à Autarquia Previdenciária Municipal de Ipojuca-PE para promover o mesmo tipo aplicação em fundos de investimento geridos pela TERRA NOVA”.

 


FECHAR