publicidade
26/11/18
Foto: Filipe Jordão/JC Imagem
Foto: Filipe Jordão/JC Imagem

Por unanimidade, deputados aprovam projeto de Paulo para 13º do Bolsa Família

26 / nov
Publicado por Amanda Miranda em Notícias às 16:53

Por unanimidade, a Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) aprovou nesta segunda-feira (26) o projeto de lei que cria a Nota Fiscal Solidária, para restituir créditos do ICMS aos beneficiários do Bolsa Família, a título de 13º salário do programa social. De acordo com a Secretaria da Fazenda do Estado, com R$ 250 mensais em compras de itens da cesta básica, poderão receber até R$ 150 por ano em créditos.

A medida foi alvo de um bombardeio da oposição na Casa e, na última quinta-feira (22), o governo anunciou que decidiu aumentar o percentual de restituição, que subiu de 2,5% das compras mensais para 5%. Com a medida, na prática, os gastos totais mensais com os produtos da cesta básica caíram da faixa de R$ 500 por mês para R$ 250.

Como mostrou o Jornal do Commercio, o valor médio pago do benefício no Estado é de R$ 184,13, menor do que os R$ 250.

LEIA TAMBÉM
» Paulo recua e facilita acesso a crédito de beneficiários do Bolsa Família
» Marília Arraes critica Paulo Câmara por condicionar 13º para Bolsa Família a compras
» André Ferreira critica 13º do Bolsa Família proposto por Paulo Câmara
» Eu não faria dessa forma, diz Armando sobre 13º do Bolsa Família
» Mendonça acusa Paulo de ‘gato por lebre’ em 13º do Bolsa Família
» Em Pernambuco, promessa de pagamento de 13º para Bolsa Família vai sair de aumento de impostos

ele não responde à promessa do governador de criar 13º do Bolsa Família; o governo evoluiu o projeto atendendo à demanda da oposição quando recuou da sua proposta original.

Aumento de imposto

Para custear a Nota Fiscal Solidária, a Assembleia Legislativa aprovou adicionar itens ao Fundo Estadual de Erradicação da Pobreza (Fecep), com uma cobrança de mais 2% de ICMS. A oposição e os governistas divergiram nesse trecho.

“Precisamos subsidiar o Fecep. Para isso, gente que tem uma condição financeira mais elevada, vai dar uma contraparte para os mais pobres”, justificou o líder do governo, Isaltino Nascimento. Para Silvio Costa Filho (PRB), líder da oposição, a proposta está “tirando recursos e diminuindo o poder de compra dos pernambucanos”.

Com a proposta aprovada, passam a fazer parte do Fecep, com um recolhimento adicional de 2% de ICMS: refrigerantes, água mineral em embalagem não retornável, isotônicos, produtos descartáveis (canudos, copos e plásticos), automóveis (exceto de 1.000 cilindradas até R$ 50 mil), motos acima de 250 cilindradas, etanol hidratado, joias, bijuterias e explosivos.

13º do Bolsa Família

Para terem acesso ao prêmio, os beneficiários do Bolsa Família deverão informar o CPF no momento da compra das mercadorias para inclusão na nota fiscal eletrônica, gerando créditos. A restituição será de 5%, com um crédito máximo de R$ 150 no período de um ano.

Fazem parte da cesta básica pernambucana os seguintes itens: gás de cozinha, feijão, arroz, açúcar, carne, charque, tilápia, sardinha em lata, frango, ovos, sal, manteiga, manteiga de garrafa, queijo de manteiga, iogurte em embalagem de 1kg, leite em pó, café, farinha de mandioca, fubá, óleo de soja, papel higiênico, sabão em tablete, xampu e sabonete.

O projeto de lei foi alvo de críticas porque, com o percentual anterior, inicialmente seria necessário gastar R$ 500 por mês em estabelecimentos que emitissem nota fiscal, valor que foi reduzido à metade.

Durante a campanha à reeleição, o governador Paulo Câmara (PSB) fez a promessa de pagar um 13º salário aos beneficiários do Bolsa Família, mas o projeto de lei trouxe o benefício como um sistema de prêmio.


FECHAR