publicidade
08/11/18
Foto: Reprodução/Facebook Marina Silva
Foto: Reprodução/Facebook Marina Silva

Marina e Ciro discutem atuação comum em relação ao governo Bolsonaro

08 / nov
Publicado por Douglas Fernandes em Notícias às 7:50

Agência Brasil – Candidatos à Presidência da República derrotados no primeiro turno, Marina Silva (Rede) e Ciro Gomes (PDT) se reuniram nessa quarta-feira (7) para traçar uma estratégia comum em relação ao governo de Jair Bolsonaro (PSL). Após a reunião, Marina disse, nas mídias sociais, que os dois falaram sobre “o desafio de uma oposição democrática, que seja comprometida com o desenvolvimento sustentável, a defesa das instituições e do interesse nacional”.

Ciro Gomes afirmou ter conversado com Marina sobre “o futuro do Brasil, principalmente em relação à defesa da institucionalidade democrática, dos interesses nacionais e da pauta das populações mais vulneráveis”. O encontro aconteceu na sede da Rede, em Brasília, por sugestão do pedetista. Além dos dois, estava o coordenador da Rede, Bazileu Margarido.

LEIA TAMBÉM
» Após críticas, equipe de transição de Bolsonaro terá mulheres
» Pondé prevê que polarização na política não vai acabar nos próximos quatro anos
» PT pede que CNJ apure escolha de Moro para Ministério da Justiça
» Força Sindical critica possível fusão do Ministério do Trabalho e Emprego com Comércio e Indústria
» FGV elogia provável fusão do Ministério do Esporte ao da Educação
» Moro diz que convite para ministério não tem ‘nada a ver’ com processo de Lula

Antes do encontro, Ciro participou de um almoço com a bancada federal do PDT, convocado pelo presidente nacional do partido, Carlos Lupi. Ele fez um balanço das eleições e reafirmou que o partido fará oposição ao governo Bolsonaro.

Segundo nota publicada no portal do PDT, Lupi afirmou que o partido tem de se manter na oposição e construir a candidatura de Ciro a presidente em 2022. “Temos que ter a compreensão do processo que o País vai viver. Não podemos nos afastar nem um segundo das decisões que serão tomadas, porque sabemos que, os que mais precisam, serão os que mais vão sofrer. E são ele que nós representamos”, afirmou.

Depois de agradecer o apoio de todos, Ciro se colocou à disposição do partido para projetos futuros e cobrou uma posição de vigilância do PDT em relação ao futuro governo. “Temos a obrigação de ficar vigilante em relação ao governo que se inicia em janeiro. Tem muita gente ali que eu conheço há anos, e sei que o povo passa longe da prioridade deles”, afirmou Ciro, que se disse “um soldado do partido”.


FECHAR