publicidade
06/11/18

FGV elogia provável fusão do Ministério do Esporte ao da Educação

06 / nov
Publicado por jamildo em Notícias às 16:55

O coordenador do curso da FGV/FIFA/CIES em Gestão de Esporte, professor Pedro Trengrouse, destaca que há 30 anos a Constituição Federal reúne Educação, Cultura e Esporte no mesmo capítulo e determina que o Estado deve fomentar o esporte, incentivando-o como forma de promoção social, destinando recursos públicos prioritariamente ao esporte educacional.

“Até hoje isso não aconteceu. A prioridade tem sido sempre o esporte de alto rendimento. Talvez com Educação, Cultura e Esporte juntos no mesmo Ministério, o esporte na escola seja prioridade e se consiga melhorar o retorno sobre o investimento público no esporte, aproveitando seu potencial para formação da nossa sociedade, beneficiando especialmente crianças e adolescentes”, disse Pedro Trengrouse.

O professor da FGV cita como exemplo a Islândia, onde o investimento público maciço no esporte tem gerado resultados positivos que vão muito além do sucesso em competições internacionais.

De acordo com ele, lá o poder público financia diretamente as atividades esportivas da população através da colaboração entre escolas, clubes e famílias.

“O resultado é concreto: melhora a saúde física e mental da população, aumenta o desempenho acadêmico e diminui a evasão escolar, reforçando o tecido social das comunidades com valores positivos, reduzindo a criminalidade e melhorando a qualidade de vida em geral”, disse o especialista, em avaliação para a entidade.

Pedro Trengrouse disse que o investimento público inteligente no esporte é aquele que o potencializa como ferramenta para educação, saúde, segurança pública e bem-estar social, com resultados concretos e mensuráveis na diminuição de evasão escolar, melhora do desempenho acadêmico, prevenção de doenças, redução do consumo de drogas e declínio dos índices de criminalidade, entre outros fatores.

“É bom que se diga também que o orçamento anual do Ministério do Esporte fica em menos de R$ 1 bilhão. O do Ministério da Educação passa de R$ 150 bilhões. A integração de Educação, Esporte e Cultura pode-se otimizar recursos públicos, em articulação com outros setores do governo e da sociedade, principalmente esporte, cultura, educação, saúde e segurança pública, garantindo o maior retorno possível dos investimentos que o povo faz”, afirmou Trengrouse.


FECHAR