publicidade
19/09/18
Foto: Felipe Ribeiro/JC Imagem
Foto: Felipe Ribeiro/JC Imagem

Rede Sustentabilidade acusa Lossio de infidelidade e pode expulsá-lo

19 / set
Publicado por Amanda Miranda em Eleições 2018 às 18:21

A executiva nacional da Rede Sustentabilidade notificou nesta quarta-feira (19) o ex-prefeito de Petrolina Julio Lossio, candidato a governador pelo partido, para se explicar sobre o apoio do coronel Luiz Meira (PRP), aliado de Jair Bolsonaro em Pernambuco. Lossio aparece em material de campanha de Meira com o presidenciável que é adversário da postulante do partido, Marina Silva.

Em nota, a legenda afirmou que o candidato foi notificado por “por infidelidade partidária, depois de realizar aliança não autorizada com candidatos de outra coligação que representam o que há de mais reacionário no Brasil”.

LEIA TAMBÉM
» Rede Sustentabilidade acusa Lossio de infidelidade e pode expulsá-lo
» ‘Eu estava em uma campanha isolada (na Rede)’, diz Lossio ao receber apoio de aliados de Bolsonaro
» Lossio promete pagar gás de cozinha como item da cesta básica para famílias humildes
» Protesto de Lossio para participar de debate termina em tumulto
» ‘A direita estava órfã’, diz coronel Meira sobre apoio a Julio Lossio

“Considerando a grave ameaça de retrocesso democrático com forças conservadoras tendo a possibilidade de chegar ao segundo turno das eleições presidenciais; considerando a situação do Estado de Pernambuco, em que essas mesmas forças conservadoras estão apoiando a candidatura de V.sa ao Governo do Estado”, afirma o texto da notificação.

A executiva nacional da Rede deu 24 horas para Lossio se pronunciar.

“Esclarecemos que a não manifestação pode ensejar abertura de processo disciplinar e consequente expulsão do quadro partidário e o cancelamento do registro de candidatura ao governo do Estado de Pernambuco”, afirma.

Mais cedo, no almoço em que anunciou o apoio de Meira, Lossio acusou: “vão aproveitar este apoio para tentar me tirar. Queriam transformar a eleição de Pernambuco em pingue-pongue”.

Para ele, a reação dentro da Rede foi por parte de aliados do governador Paulo Câmara (PSB). “No PT, tinham os queijo do reino. Na Rede, temos os laranja-lima, verde por fora e amarelo por dentro”, disse, em referência ao amarelo da marca do PSB.

» Lossio diz que manda na campanha e que Rede tem ‘frutas podres’ após racha sobre Meira
» Em meio a confusão com Lóssio, Rede divulga caminhada pró-Bolsonaro
» Bandeira de PE não existiria sem as cores, diz Lossio à Rede
» Rede desautoriza aliança de Lossio com apoiadores de Bolsonaro
» Coronel Meira vai sair para deputado federal e anuncia apoio para Julio Lossio

“Esse tipo de infração está previsto no Estatuto da REDE, que, em suas normatizações, considera ato de infidelidade partidária o candidato que fizer campanha eleitoral para candidatos ou partidos políticos que contrariem as deliberações da Convenção Eleitoral e os interesses partidários da REDE”, diz a nota do partido.

A Rede já havia divulgado na semana passada uma nota em que desautorizava “qualquer aliança de seus candidatos majoritários com apoiadores da candidatura de Bolsonaro”. “Quem manda na minha campanha sou eu, não é a Rede, não”, respondeu Lossio. Depois, dois integrantes da comissão executiva estadual. Victor Lima e Atailton Tavares, anunciaram o pedido de desfiliação.

» Bolsonaro estuda ir a debate da Globo após receber alta
» Teria muita dificuldade em apoiar Haddad ou Bolsonaro, diz Amoêdo
» ‘Intenção de voto a Bolsonaro já está no teto e tende a cair’, diz Alckmin
» Ibope: No 2º turno, Bolsonaro vence Marina e empata com três rivais
» Ibope: Haddad supera Ciro e se isola no 2º lugar, Bolsonaro segue líder

Lossio alegou que estava numa campanha muito isolada até conseguir o apoio de Meira e Gilson Machado Neto. O candidato ainda afirmou que a resistência na Rede vem de pessoas “verde por fora e amarelo por dentro”, em referência ao PSB. Para ele, os correligionários que se manifestaram contra ele estariam insatisfeitos por terem perdido cargos no governo Paulo Câmara.

Lossio foi eleito e reeleito pelo PMDB para a Prefeitura de Petrolina, no Sertão de Pernambuco, deixando o cargo em 2016. Foi aliado do presidente Michel Temer, de quem era correligionário e a quem hoje diz ter “gratidão”, apesar de ter deixado o partido em 2017. Ele desembarcou da legenda para evitar um opositor histórico: o senador Fernando Bezerra Coelho, que se filiou com a estratégia de levar a sigla para o palanque adversário ao de Paulo Câmara.


FECHAR