publicidade
18/09/18
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

‘A direita estava órfã’, diz coronel Meira sobre apoio a Julio Lossio

18 / set
Publicado por Douglas Fernandes em Eleições 2018 às 8:11

Estadão Conteúdo – O candidato da Rede em Pernambuco, Julio Lóssio, se aliou com apoiadores de um dos principais adversários de Marina Silva na disputa pelo Planalto, Jair Bolsonaro (PSL). A união foi desautorizada publicamente pela Executiva estadual da Rede e causou constrangimento na legenda da ex-ministra.

Ex-prefeito de Petrolina, Lóssio fará campanha ao lado de Luiz Meira (PRP), ex-coronel da Polícia Militar conhecido por ser “linha dura”, e Gilson Machado (PSL). Meira chegou a ser o pré-candidato de Bolsonaro ao governo do Estado e Machado, ao Senado, mas os partidos rifaram suas candidaturas por alianças locais. O coronel, agora candidato à Câmara, organiza um evento nesta quarta-feira (19) no Recife, para selar a aliança com o candidato da Rede.

LEIA TAMBÉM
» Lossio diz que manda na campanha e que Rede tem ‘frutas podres’ após racha sobre Meira
» Rede diz que foi ‘erro técnico’ divulgação de carreata pró-Bolsonaro
» Em meio a confusão com Lóssio, Rede divulga caminhada pró-Bolsonaro
» Bandeira de PE não existiria sem as cores, diz Lossio à Rede
» Rede desautoriza aliança de Lossio com apoiadores de Bolsonaro
» Coronel Meira vai sair para deputado federal e anuncia apoio para Julio Lossio

Em nota, o partido desautorizou o apoio do coronel. Yuri Santos, coordenador da legenda, disse que a Executiva ainda não definiu os próximos passos. “Isso é um fato muito ruim para a Marina. Mas estamos avaliando, porque retirar a candidatura pode demonstrar que ela não tem firmeza, não tem pulso. É uma situação delicada.”

A campanha de Marina vem se contrapondo à de Bolsonaro, especialmente em relação à defesa dele ao armamento e em relação às mulheres.

‘Ideais’

O coronel aposentado afirmou à reportagem que “a direita estava órfã” em Pernambuco. “Agora, o nosso Estado dá um passo à frente na formação de aliança para o segundo turno, pois nós conseguimos juntar o eleitor de Marina com o eleitor de Bolsonaro”, disse Meira.

“Lóssio é um cristão, homem do bem, que fez uma excelente gestão em Petrolina e é ficha limpa. Ele comunga dos ideais de Bolsonaro. Não tem porque a gente não estar (juntos)”, declarou o ex-coronel da PM.

» Em Pernambuco, Haddad assume liderança, diz JC/Ibope/TV Globo
» Paulo Câmara segue à frente na disputa ao governo, com 33%, aponta JC/Ibope/TV Globo
» Jarbas e Humberto mantêm liderança na pesquisa JC/Ibope/TV Globo para o Senado
» Distância entre Paulo e Armando diminui em eventual 2º turno, diz JC/Ibope/TV Globo
» TSE recebeu 6.037 denúncias de infrações eleitorais nas últimas três semanas
» Toffoli sobre Bolsonaro: ‘Ele sempre foi eleito usando a urna eletrônica’

‘Estereótipos’

Criticado pela Rede por aceitar o apoio de “bolsonaristas” em Pernambuco, o candidato do partido ao governo do Estado, Julio Lóssio, reafirmou seu voto na presidenciável Marina Silva, mas poupou ataques ao candidato do PSL, Jair Bolsonaro.

“Não o conheço. Mas o estereótipo que criaram de Marina é o mesmo que tentam criar de Bolsonaro, só que de maneira inversa. Pessoas tentam criar que ele é um cara violento. E quem já foi agredido por Bolsonaro?”, disse Lóssio.

O candidato negou que a aliança com apoiadores do candidato do PSL poderia prejudicar a campanha de Marina. “Ele (Luiz Meira, candidato a deputado federal pelo PRP) sabe que eu voto em Marina, ele vota em Bolsonaro. Quero que o Meira possa me ajudar no que a gente pensa parecido”, afirmou. Mulher do candidato a governador, Andréa Lóssio é candidata a deputado estadual e deve fazer dobradinha com o coronel.

O candidato da Rede minimizou ainda o posicionamento da Executiva estadual, a que chamou de uma “parte sectária” do partido na região. No Ibope divulgado nessa segunda-feira (17) ele aparece em terceiro lugar com 2%, atrás de Paulo Câmara (PSB), 33%, e de Armando Monteiro (PTB), 25%.

Sozinho na coligação, Lóssio alega que o apoio de Meira e de Gilson Machado (PSL) o tirou do isolamento. Segundo ele, o coronel teria pedido que incorporasse no seu programa a agenda dele para segurança pública, cujos eixos são valorização dos salários da base da PM, investimento na inteligência das polícias e convênio com as guardas municipais. 


FECHAR