publicidade
28/08/18
Foto: Guga Matos/JC Imagem
Foto: Guga Matos/JC Imagem

Com PDT ainda no governo, Rands diz que não é ‘coronel’ para mandar sair

28 / ago
Publicado por Douglas Fernandes em Eleições 2018 às 10:48

No primeiro bloco do debate na Rádio Jornal, o ex-deputado Maurício Rands (Pros) foi questionado pela candidata do PSOL Dani Portela sobre a manutenção do PDT – que integra a sua coligação junto com o Avante – em cargos no governo Paulo Câmara (PSB) e se seria “uma contradição” do adversário. Rands, que já havia negado a pecha de “linha auxiliar do Palácio das Princesas”, afirmou não teria poder sobre os pedetistas que ainda se mantém na gestão do socialista, a exemplo da Secretaria de Agricultura.

“O meu governo não vai lotear cargos públicos. (…) Eu não sou coronel para mandar nas pessoas”, disse Rands, que tem como candidata a vice-governadora a ex-vereadora Isabella de Roldão (PDT). O marido de Isabella, Fábio Fiorenzano de Albuquerque (PDT), continua à frente do ProRural, vinculado à pasta da Agricultura, que é comandado por Wellington Batista, também pedetista.

LEIA TAMBÉM
» Paulo e Armando buscam polarização no debate da Rádio Jornal
» Armando diz que não vê problema em FBC ser líder de Temer
» Em debate, adversários fazem cobranças e críticas a Paulo Câmara
» ‘Em 2019 teremos a oportunidade de ter Lula governando o Brasil’, diz Paulo
» Armando compara Paulo a Eduardo Campos para criticar adversário
» Candidatos debatem saúde, autonomia de Suape, feminicídio e BR-232
» Armando e Paulo empurram Temer um para o outro, em debate

A pergunta que, inicialmente, era sobre as enchentes que ocorreram na Mata Sul do Estado, em 2010 e 2017, e as promessa de construção de barragens pelo governo.

No terceiro bloco, Dani Portela insistiu na questão dos cargos do PDT, afirmando que Rands não havia respondido à sua pergunta. “Eu acho contraditório. (…) Como vamos resolver essa contradições?”, perguntou a candidata do PSOL, que acrescentou que o deputado federal Silvio Costa (Avante), postulante ao Senado na chapa de Rands, havia votado a favor da Reforma Trabalhista. 

“Silvio Costa não me consta que tenha votado a favor da Reforma trabalhista. Minha candidatura é de esquerda, eu sou uma pessoa de esquerda”, defendeu-se.


FECHAR