publicidade
28/08/18
Foto: Guga Matos/JC Imagem
Foto: Guga Matos/JC Imagem

Armando e Paulo empurram Temer um para o outro, em debate

28 / ago
Publicado por Amanda Miranda em Eleições 2018 às 11:16

Novamente adversários na eleição para o governo de Pernambuco, Armando Monteiro Neto (PTB) e Paulo Câmara (PSB) tentaram apontar contradições um do outro sobre o apoio ao governo Michel Temer (MDB) no debate da Rádio Jornal, na manhã desta terça-feira (28). Com o presidente com baixa popularidade, principalmente no Nordeste, os dois buscaram se descolar do emedebista no terceiro bloco do programa.

Armando aproveitou que poderia fazer uma pergunta a Paulo e o ironizou, afirmando que o socialista estaria em uma fase de arrependimento. “Você se arrepende de ter votado em Aécio, alijado Marília, que poderia estar aqui com a gente, e de ter se manifestado a favor da reforma trabalhista?”, questionou o petebista.

LEIA TAMBÉM
» ‘Todas as promessas de 2014 estão válidas’, disse Paulo Câmara
»
Dani Portela liga Armando Monteiro e Maurício Rands ao governo do PSB
» Armando diz que não vê problema em FBC ser líder de Temer
» Em debate, adversários fazem cobranças e críticas a Paulo Câmara
» ‘Em 2019 teremos a oportunidade de ter Lula governando o Brasil’, diz Paulo

Foto: Guga Matos/JC Imagem

O governador respondeu que a interpretação do adversário não estaria correspondendo à realidade e ligou o grupo de Armando a Temer ao afirmar que apoia o ex-presidente Lula (PT). “Diferente do seu palanque, que defende as políticas que Temer implantou no Brasil junto com seus ministros”, disse.

Os dois candidatos ao Senado na chapa do petebista, os deputados federais Bruno Araújo (PSDB) e Mendonça Filho (DEM), foram ministros das Cidades e da Educação.

Sobre o apoio a Aécio Neves (PSDB), em 2014, Paulo Câmara afirmou que foi no “momento”. Em 2013, o PSB rompeu nacionalmente com o PT para viabilizar a candidatura de Eduardo Campos à presidência. “Nós sabemos todos os desdobramentos que ocorreram depois no PSDB”, afirmou o socialista.

Sobre o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), alegou: “naquele momento meu partido decidiu que era muito importante a saída de Dilma e Temer”.

“Não cabe escapismo. Eu sou leal, votei contra o impeachment. Sempre me pautei por uma postura de lealdade, não mudo de posições ao sabor do palco eleitoral. Você constituiu o governo Temer, o seu partido participou do governo Temer, você tem, sim, compromisso na origem com o governo Temer”, rebateu Armando, que foi ministro de Dilma Rousseff. “Não tem como esconder, vamos respeitar o eleitor”.

» Com PDT ainda no governo, Rands diz que não é ‘coronel’ para mandar sair
» Armando compara Paulo a Eduardo Campos para criticar adversário
» Candidatos debatem saúde, autonomia de Suape, feminicídio e BR-232

Paulo, então, voltou a ligar Armando a Temer. “O palanque de Temer está no seu palanque, lhe apoiando, você foi a favor da reforma trabalhista, nós fomos contra. É importante restabelecer a verdade. A turma do Temer está no seu palanque e nós apoiamos o presidente Lula”.

O governador também justificou que Fernando Filho, então deputado federal pelo PSB – hoje no DEM -, não recebeu apoio de todo o partido para ficar no Ministério de Minas e Energia.

Aliado de Lula nas últimas eleições, Armando declarou voto no ex-presidente, caso a candidatura dele seja mantida.

Lula

O ex-deputado federal pelo PT Maurício Rands (PROS) aproveitou a discussão entre Armando e Paulo para criticar os dois. “Tanto você quanto paulo ficam tentando pegar carona na popularidade de Lula e montam palanques conservadores e com essas contradições todas”, disse. “Vamos respeitar o eleitor”, afirmou ainda usando a frase dita antes pelo petebista. “Quando vem querendo surfar e manipular a realidade, não está respeitando o eleitor”.

Rands havia usado a chance de fazer uma pergunta a Armando para perguntar sobre a postura de Bruno Araújo e Mendonça Filho, que foram articuladores do impeachment. “Eles foram leais na medida em que eram oposição ao governo Dilma. Eles foram leais, e não como o PSB, que foi para um lado e depois para o outro. Caminho ao lado deles com muita tranquilidade, o que nos reuniu foi Pernambuco”, argumentou o senador.


FECHAR