publicidade
23/08/18
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Humberto diz a Geraldo Julio que João Paulo foi melhor prefeito

23 / ago
Publicado por Amanda Miranda em Eleições 2018 às 21:53

O senador Humberto Costa (PT), candidato à reeleição na chapa socialista, afagou tanto o aliado João Paulo (PCdoB), que tenta uma vaga na Assembleia Legislativa, que passou por cima do prefeito Geraldo Julio (PSB). Em discurso na inauguração do comitê do agora comunista, na noite desta quinta-feira (23), afirmou: “você me perdoe, Geraldo Julio, mas você ainda tem três anos para bater João Paulo, o maior prefeito que o Recife já teve até hoje”.

Os aliados riram. “Um companheiro que fez uma grande gestão, inverteu prioridades e implementou políticas importantes na nossa cidade. É uma referência para todos nós, eu sei que é para o nosso companheiro Geraldo Julio”, emendou Humberto Costa.

LEIA TAMBÉM
» MPF pede impugnação da candidatura de João Paulo
» Agora no PCdoB, João Paulo usa número 13, do PT

Fundador do PT em Pernambuco, João Paulo deixou o partido em abril deste ano, insatisfeito com as críticas que estava recebendo por apoiar a aliança entre o partido e o PSB. Filiou-se, após conversar com o Pros, à legenda de Luciano Siqueira, que foi seu vice durante oito anos e é também o de Geraldo Julio nos dois mandatos.

Humberto Costa comentou que havia muitos petistas na inauguração do comitê de João Paulo. “Isso acontece, Renildo (Calheiros, do PCdoB, ex-prefeito de Olinda), porque João Paulo é parte da nossa história”, disse o petista.

» João Paulo escolheu um momento muito infeliz para deixar o PT, diz Gleisi
» É impossível prever impacto da saída de João Paulo do PT, diz Bruno Ribeiro

João Paulo foi prefeito de 2000 a 2007, deixando no seu lugar João da Costa (PT), com quem rompeu logo no início da gestão. Em 2012, com o espaço deixado pela divisão entre os petistas, o ex-governador Eduardo Campos (PSB) rompeu com o Partido dos Trabalhadores na capital e lançou a candidatura de Geraldo Julio. No ano seguinte, encerraria a aliança nacionalmente também, para viabilizar seu nome à presidência da República.

Desde então, PSB e PT estiveram de lados opostos e a maioria dos socialistas apoiou o impeachment de Dilma Rousseff. Os dois se reuniram em âmbito nacional no ano passado, contra as reformas trabalhista e da Previdência, entre outras medidas do governo Michel Temer (MDB).

Em Pernambuco, a aliança foi negociada por mais de seis meses, até que, no início de agosto, a Executiva Nacional do PT anunciou a retirada da candidatura de Marília Arraes e o apoio à reeleição do governador Paulo Câmara (PSB), com Humberto Costa na chapa.


FECHAR