publicidade
22/08/18
Foto: Guga Matos/JC Imagem
Foto: Guga Matos/JC Imagem

Boulos diz que vetaria aumento do STF: ‘seria a canetada mais gostosa’

22 / ago
Publicado por Amanda Miranda em Eleições 2018 às 16:29

O candidato à presidência da República pelo PSOL, Guilherme Boulos, afirmou nesta quarta-feira (22) que vetaria reajustes salariais do Supremo Tribunal Federal (STF). Os aumentos da Corte puxam também o teto do funcionalismo público.

“Eu vetaria com gosto. Seria a canetada mais gostosa da minha vida, pegar a caneta e vetar o reajuste de juiz, desembargador, promotor. Isso é uma esculhambação”, disse em entrevista no Resenha Política, na TV JC.

LEIA TAMBÉM
» ‘Me disseram que falar dele dá azar’, diz Boulos sobre Bolsonaro
» Alckmin joga pelo 0 a 0, ironiza Guilherme Boulos ao comentar pesquisa
» Temer não vai enviar reajuste do STF ao Congresso
» Reajuste do STF terá impacto anual de R$ 243 milhões no Executivo
» STF aprova reajuste de salário de ministros para 2019

Boulos propôs também enviar ao Congresso Nacional um projeto para acabar com benefícios hoje recebidos pelo Judiciário. “Não só vetaria o aumento do Judiciário como também vou enviar um projeto de lei para que a gente acabe com os penduricalhos: auxílio-moradia tendo casa, auxílio-terno, viagem para Miami, todos os privilégios que essa turma tem. E nós vamos democratizar o Judiciário, nenhum poder pode regular a si mesmo”.

Assista ao Resenha Política com Guilherme Boulos, candidato à presidência pelo PSOL

» Pesquisa reforça o absurdo que é a tentativa de retirada de Lula, diz Boulos
» Alckmin quer distância e rebate ’50 tons de Temer’ apontada por Boulos
» Boulos ironiza Meirelles: ‘não estou junto com sem-vergonha’
» Boulos deverá revisar Minha Casa, Minha Vida, diz economista
» Com PT isolado, PCB decide apoiar candidatura de Boulos, do PSOL 
» Boulos critica Lula por não ter feito reforma política e ter mantido ‘raposas’

Os ministros do STF aprovaram o aumento de 16,38% nos próprios salários, que poderiam chegar a R$ 39 mil. Hoje, eles recebem R$ 33,7 mil.

O presidente Michel Temer (MDB) declarou a interlocutores que não encaminharia a proposta de aumento ao Congresso.

Para o candidato à presidência, ao reajustar os vencimentos, o órfão “não está à altura dos desafios que a realidade brasileira coloca”. “Desbalanceamento é o que tem hoje, é um poder estabelecer aumento para si mesmo, com um salário que vai chegar a 40 mil, sendo que o salário mínimo está estagnado em R$ 900 e há 14 milhões de desempregados”, reclamou Boulos.


FECHAR