publicidade
10/08/18
Foto: Kelly Fuzaro/Band
Foto: Kelly Fuzaro/Band

Presidenciáveis trocam acusações ao falar sobre cortar privilégios em debate

10 / ago
Publicado por Victor Tavares em Eleições 2018 às 1:05

No quarto bloco do primeiro debate eleitoral de 2018, as perguntas voltaram a ser feitas por jornalistas que escolhiam dois candidatos, um para responder outro para comentar a pergunta. Com poucas propostas, o bloco foi marcado por um pedido de resposta do deputado Jair Bolsonaro (PSL).

LEIA TAMBÉM
» Manifestantes protestam contra ausência de Lula em debate
» Candidato promete trabalho ‘pela honra e glória do senhor Jesus’
» Lula está preso enquanto Temer está solto, diz Boulos em debate
» Em debate, Alckmin diz que se coligou ao centrão para aprovar reformas

Abrindo a rodada de perguntas, o jornalista Fábio Pannunzio perguntou ao Cabo Daciolo (Patriota) sobre as greves que apoiou e como iria lidar com paralisações caso seja eleito. “Apoiei a greve dos caminhoneiros e eles não foram ouvidos. Vou baixar o preço do combustível em 50%”, disse.

Bolsonaro (PSL) foi questionado sobre o excesso de benefícios a políticos e respondeu que os auxílios estão previstos em lei. “Eu podia ter usado 400 mil reais do cotão, mas usei só metade”. Comentando a pergunta, Guilherme Boulos (PSOL) disse não ser ético aceitar esses benefícios. “Privilégio não combina com direito. Vamos ser o governo do direito. Tá na Lei mas não é ético”, afirmou.

» Alckmin e Bolsonaro são os mais ‘acionados’ em primeiro bloco de debate
» Bolsonaro defende novamente castração química em debate
» Daciolo atribui feminicídios a ‘falta de amor’ e Dias à corrupção; Bolsonaro minimiza diferença salarial
» Aborto: Marina defende plebiscito e Boulos diz que é questão do SUS, em debate

Bolsonaro disse ainda que “o militar é uma categoria à parte, que está à disposição da população, e por isso se opõe à retirada de benefícios a militares”. Também afirmou ter “muito orgulho” de ser capitão do Exército.

No quarto bloco, Jair Bolsonaro teve pedido de resposta aceito para responder a acusação de Guilherme Boulos que disse que o deputado foi expulso do exercito porque queria jogar uma bomba “lá em algum lugar”.


FECHAR