publicidade
10/08/18
Foto: Kelly Fuzaro/Band
Foto: Kelly Fuzaro/Band

Debate: a Bolsonaro, Ciro diz que não precisa de ‘lei do chicote bravo nas escolas’

10 / ago
Publicado por Amanda Miranda em Eleições 2018 às 0:14

Questionado sobre as propostas para a educação no debate realizado pela Band nesta quinta-feira (9), o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL-RJ) citou os colégios militares e propôs construir a maior unidade no Brasil, se eleito, no Campo de Marte, em São Paulo. “Hierarquia e disciplina tem que se fazer presente. Tiraram a autoridade do professor”, disse. 

LEIA TAMBÉM
» Manifestantes protestam contra ausência de Lula em debate
» Candidato promete trabalho ‘pela honra e glória do senhor Jesus’
» Lula está preso enquanto Temer está solto, diz Boulos em debate
» Em debate, Alckmin diz que se coligou ao centrão para aprovar reformas

Ao comentar a resposta de Bolsonaro, o ex-ministro Ciro Gomes (PDT) elogiou a educação no Ceará, estado onde foi governador. “Não precisou botar a lei do chicote bravo nas escolas. O que resolve é a mudança no padrão de ensino, substituir o decoreba por ensinar o aluno a pensar. E reforçar o orçamento”, afirmou o pedetista.

» Alckmin e Bolsonaro são os mais ‘acionados’ em primeiro bloco de debate
» Bolsonaro defende novamente castração química em debate
» Daciolo atribui feminicídios a ‘falta de amor’ e Dias à corrupção; Bolsonaro minimiza diferença salarial
» Aborto: Marina defende plebiscito e Boulos diz que é questão do SUS, em debate

Dos treze candidatos, oito participam do debate: Álvaro Dias(Podemos), Cabo Daciolo (Patriota), Ciro Gomes (PDT), Geraldo Alckmin (PSDB), Guilherme Boulos (PSOL), Henrique Meirelles (MDB), Jair Bolsonaro (PSL) e Marina Silva (Rede). Os demais postulantes não foram convidados porque não possuem representação mínima de cinco congressistas, requisito mínimo previsto na legislação eleitoral. O PT, partido do ex-presidente Lula, que está preso em Curitiba por ter sido condenado pela Operação Lava Jato, acionou a Justiça para que a ida dele ao debate fosse autorizada, mas o pedido já havia sido negado em primeira instância, decisão confirmada pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) nesta quinta-feira (9).


FECHAR