publicidade
12/07/18
Foto: Ricardo Stuckert/Instituto Lula
Foto: Ricardo Stuckert/Instituto Lula

A pedido de Paulo, PSB adia definição sobre apoio a Lula ou Ciro

12 / jul
Publicado por Douglas Fernandes em Eleições 2018 às 8:57

Por Renata Monteiro e Paulo Veras, da editoria de Política do JC

De passagem por Brasília, onde encontrou-se com o presidenciável Ciro Gomes (PDT), o governador Paulo Câmara (PSB) pediu ao vice-governador Raul Henry, presidente do MDB-PE, que adiasse para o dia 3 de agosto a convenção estadual da sigla, anteriormente agendada para ocorrer no dia 20 de julho.

Também a pedido de Paulo, o presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, decidiu adiar as reuniões da Executiva e do Diretório Nacional do partido, que estavam marcadas para a próxima semana. Indefinidos sobre o caminho que devem adotar nas eleições nacionais, os socialistas usariam os encontros para decidir se a agremiação marchará ao lado do PT ou do PDT no pleito. Agora, o desfecho do caso só deve ocorrer no fim de julho. “Ainda temos bastante tempo, porque convoquei o Congresso do partido para o dia 05 de agosto, portanto, este é o nosso prazo para decidir nossa posição frente a eleição presidencial”, cravou Siqueira.

Os gestos do governador, que é um dos maiores interessados na aliança entre PSB e PT, demonstram que ele está em busca de mais tempo para realizar as articulações necessárias para concluir a composição da sua chapa. Se conseguir que a legenda feche aliança com os petistas, o senador Humberto Costa deve concorrer ao Senado na Frente Popular e aumentar significativamente o tempo de rádio e TV da coligação.

No caso do MDB, a depender da entrada e da saída de forças políticas da base governista nesse período, o adiamento da convenção teria dois desfechos possíveis no cenário atual: a manutenção do deputado Jarbas Vasconcelos, pré-candidato ao Senado, na majoritária ou a permanência de Raul Henry – homem de confiança de Paulo – no posto de vice-governador da chapa, ao lado de Jarbas.

O Palácio do Campo das Princesas não se pronunciou. O adiamento da convenção do MDB-PE também pode ajudar o Diretório Estadual na guerra judicial que trava com a Executiva Nacional pelo comando da sigla no Supremo Tribunal Federal.

Ontem, o MDB Nacional utilizou um parecer da Procuradoria-Geral da República e a data anterior da convenção para justificar uma solicitação de revisão urgente da matéria pela ministra plantonista Cármen Lúcia. A convenção seria realizada durante o recesso judiciário, impedindo o relator do caso, ministro Ricardo Lewandowski, de apreciar a manifestação da PGR antes que as decisões sobre candidaturas e alianças fossem tomadas.

Com a mudança de data, Raul e Jarbas esperam que os argumentos usados pela Executiva caiam por terra, uma vez que, em agosto, o próprio Lewandowski terá a possibilidade de analisar o processo.


FECHAR