publicidade
21/06/18
Foto: Antonio Augusto/Câmara dos Deputados
Foto: Antonio Augusto/Câmara dos Deputados

Deputados falham em tentativa de coletar apoio contra CPI da Lava Jato

21 / jun
Publicado por Douglas Fernandes em Eleições 2018 às 7:58

Estadão Conteúdo – Mesmo após um esforço concentrado, deputados não conseguiram o número necessário de assinaturas para impedir a instalação da Comissão de Inquérito Parlamentar (CPI) com foco na Operação Lava Jato. Eles, no entanto, protocolaram um requerimento na Câmara com esse pedido.

Após a repercussão negativa e da pressão de integrantes de juízes e procuradores, deputados voltaram atrás e decidiram retirar o apoio para a criação da CPI proposta pelo PT e que tem como objetivo investigar denúncias de irregularidades relacionadas a delações premiadas fechadas no âmbito da investigação.

Pelo regimento da Casa, no entanto, os deputados não poderiam simplesmente retirar as assinaturas, era necessário apresentar um novo requerimento, assinado por metade mais um dos deputados que haviam endossado o pedido anterior, o que dava 96 assinaturas.

LEIA TAMBÉM
» Bancada petista articula CPI das delações premiadas
» Senador Hélio José protocola pedido de criação de CPI da Eletrobras
» Governo e oposição se unem para criar CPI para investigar política de preços da Petrobras
» Em carta a Gleisi, Lula volta a criticar Lava Jato

A coleta para o novo requerimento foi comandada pelo deputado Júlio Delgado (PSB-MG). Segundo a assessoria do parlamentar, até a tarde dessa quarta-feira (20) cerca de 90 deputados haviam assinado o documento, mas, mesmo assim, a peça foi protocolada para “marcar posição”.

Na prática, o requerimento pedindo a instalação continua valendo e a decisão de dar seguimento à comissão está nas mãos do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Ao todo, oito pedidos de criação de CPIs estão paradas na Câmara. Maia ainda não se pronunciou sobre o caso.

Especulação

Na justificativa do pedido para tentar impedir a criação da comissão, os deputados afirmam que tomaram a decisão para “evitar qualquer insinuação ou especulação” de que a CPI, que eles haviam apoiado, tivesse o “objetivo enfraquecer, desestruturar ou mesmo acabar com as investigações no âmbito da Operação Lava Jato”.

No documento, no entanto, eles defendem que investigar o mau uso das delações premiadas somaria esforços “à incansável tarefa de identificar e responsabilizar aqueles que usam a máquina pública para ganhos pessoais”.

E concluem: “Retiramos de tramitação o referido Requerimento de Instalação de CPI, não por se tratar de objeto destinado a prejudicar nas entrelinhas a Operação Lava Jato, mas sim por entendermos que neste momento a maior contribuição que podemos dar para o transcurso das investigações é justamente acompanhamos de longe seus desdobramentos e confiar de que a democracia brasileira encontra-se madura o suficiente para respeitar o direito de todos nós”.



FECHAR